COMO APRENDER INGLÊS COM FILMES e SÉRIES [Técnicas + Ferramentas Para Praticar]

Assista este vídeo que mostra como aprender inglês com filmes e séries. (obrigado, Canal Inglês Winner).

Espanglish Traduções oferece os seus serviços da tradução em Inglês. Tradução juramentada, técnica, legendas e tradução simultânea e consecutiva em Inglês.

http://www.espanglish.com.br 

(41)3308-9498 / (41)99667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

Diferenças entre BRASILEIRO e AMERICANO

Cintya Sabino é uma moça que a partir de suas experiências detalha várias diferenças culturais entre Estados Unidos e Brasil. Este vídeo de 7 anos é bem interessante e nos ensina muita coisa. Confira!

Você mora em Curitiba, vai viajar aos Estados Unidos e precisa aperfeiçoar o seu inglês? A Espanglish está localizada no bairro de Rebouças, próxima a Unicuritiba e oferece diversos cursos de inglês para você e sua família.

Também trabalhamos com traduções de artigos científicos, livros, manuais, legendas de vídeos e filmes, tradução juramentada e interpretação simultânea e consecutiva.

Tradução de inglês é com a Espanglish!

http://www.espanglish.com.br 

 

 

Writing scientific articles like a native English speaker: top ten tips for Portuguese speakers

 trans1

Can you identify a single colleague who has not had a manuscript returned with the comment “needs to be reviewed by a native English speaker”? Many researchers receive this response even after translation or revision by an official translator or a native English-speaking coauthor. Over the past four years, while conducting my doctoral, and now my postdoctoral, work here in Brazil, I have been asked to both translate and help revise numerous manuscripts for my fellow Brazilian researchers. However, despite being a native English speaker and a researcher, I have found these tasks to be quite stressful at times. The truth is, just like it is one thing to write in Portuguese and another to write well in Portuguese, the same applies to writing well in English. Furthermore, not every native English speaker who writes well in English can write well for the scientific literature. Scientific English writing has its own style and rhythm, such as the use of passive voice. Passive voice is considered poor English in most forms of writing (news, novels, blogs, etc.) outside of science. The most recent version of Microsoft Office Word will even highlight passive voice as poor grammar and ask you if you want to rephrase. However, the use of passive voice is acceptable and even encouraged in some scientific writing.

Although you would expect revising an already translated paper would take less time than translating an entire manuscript, I eventually came to prefer translation. Revisions tend to take me twice as long. Online translators may be partly to blame for this phenomenon. Not only did I spend hours being frustrated by confusing phrases resulting from simple mistakes, but I also spent the majority of my time fixing the same mistakes over and over again.

For this reason, I decided to assemble a compilation of the 10 most common “errors” made by native Portuguese speakers when writing scientific papers in English. I put “errors” in quotes because many of the following tips are just that: tips, or dicas. They do not always refer to incorrect English, but rather to poor English, and they are not necessarily absolute rules. Most of these are common mistakes or poor writing habits that affect even native English speakers, so correcting them before submitting your manuscript can give you an advantage with the reviewers. It may even help you to avoid the dreaded “needs to be reviewed by a native English speaker”.

1. Avoid beginning sentences with “It is…”.

In Portuguese, phrases that are meant to give emphasis commonly begin as:

“É importante…”, “Também é muito comum…”, “Há pouca atenção…”

Many people directly translate these phrases as:

“It is important…”, “Also, it is very common…”, “There is little attention…”

Although these sentences are grammatically correct, they are weak and somewhat juvenile in structure (“The book is on the table”). One or two per section may be fine, but repeatedly using this sentence structure can diminish the perceived maturity of your work.

These phrases can almost always be strengthened by rephrasing (or even directly reversing):

Example 1:

Portuguese: “É importante destacar os trabalhos mais recentes que…”

Weak English: “It is important to highlight the most recent works that…”

Strong English: “The most recent works that (…) are important to highlight.”

Example 2:

Portuguese: “Há pouca atenção dada ao evento.”

Weak English: “There is little attention given to the event.”

Strong English: “Little attention is given to the event.”

2. Learn when to use “the”; try to remove it from the beginning of the sentence and to only include it when referring to specific events/objects/people.

In Portuguese, a phrase begins with “O”, “Os”, “A” or “As” when starting a sentence with a subject:

As células foram plaqueadas…”

Which means the English translation would be:

The cells were plated…”

Specifically for scientific writing, “the” can be removed to sound more professional.

“Cells were plated…”

However, you should add “the” to a phrase when it refers to specific people, places, events or populations. These types of errors usually result from incorrect usage of “de”, “da” or “do” in Portuguese, so the usage of “the” in the phrase here would depend greatly on the context of the paragraph:

“…que ocasionou grande fluxo de populações humanas para a região.” (referring to a specific event in time)

“…which caused large influx of human populations to the region.”

“…which caused the large influx of human populations to the region.”

3. Only capitalize subjects if they refer to the formal name of a place/department/title.

The most common mistake is “state”. This word is only capitalized when it comes after a state’s name as part of its formal title.

“O Departamento de Pediatria da UFF é localizado no Estado do Rio de Janeiro.”

Because this phrase is referring to the specific formal name of a pediatrics department, and if we keep the state in front of Rio de Janeiro, the capitalization should be:

“The Department of Pediatrics of UFF (FORMAL) is located in the state (INFORMAL) of Rio de Janeiro.”

However, you may sometimes refer to the place where you conducted a study by the type of location/department/clinic, rather than by its formal name:

“O estudo foi realizado no Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro no Estado do Rio de Janeiro. O Hospital da Universidade atende mais de 100 pacientes por dia.”

In this case, you do not need to capitalize the department/university in the second phrase because they are not the formal titles of the hospital and the university. Additionally, if you place “state” after “Rio de Janeiro”, it can now be capitalized because it is part of the title:

“The study was conducted at the University Hospital of the Federal University of Rio de Janeiro (FORMAL) in Rio de Janeiro State. The hospital (INFORMAL) of the university (INFORMAL) attends more than 100 patients per day.”

Another common mistake occurs when referring to directions or regions, such as “north” or “northern”. Capitalize “north”, “south”, “eastern”, “northwest” and related terms when they refer to specific region names or to people who live in these regions. For example:

“A maioria das amostras foram coletadas do Centro-Oeste de Brasil.”

“Majority of samples were collected from Central West (or Midwest) Brazil.”

Do not capitalize these words if they refer to the general direction or location:

“Majority of samples were collected from the central-western region of Brazil.”

4. Remove “that”!

This is a very common style issue made by native English speakers and is a quick way to not only write in English but also to write well in English.

“That” should only be used at the beginning of a dependent clause or when describing a subject/noun:

“Os resultados mostraram que muitas pessoas gostam de frutas.”

Directly translated, Portuguese speakers normally feel more comfortable leaving the word “that” in the sentence. I have even had colleagues add “that” after I had removed it.

“The results showed that many people like fruits.”

If you remove the “that”, the meaning of the phrase does not change, and the phrase is not broken by a breath when you read the sentence aloud:

“The results showed many people like fruits.”

Read both aloud. Can you hear how “that” can break up a sentence and not flow as nicely?

However, you do need “that” in other situations:

“Os resultados que foram encontrados nesse estudo mostraram que muitas pessoas gostam de frutas.”

“The results that were found in this study showed many people like fruits.”

Here are some words that are frequently used in the scientific literature that commonly do not need to be followed by “that”:

Suggest or suggested (sugere que ou sugerido que)

Observed (observamos que ou foi observado que)

Found or was found (encontramos que ou foi encontrado que)

Show or shown (mostramos que ou foi mostrado que)

Is important (é importante que)

Highlight (destacamos que)

5. Attempt to place adjectives, including possessive adjectives, in front of nouns when possible (adjective-noun rather than noun-“of”-adjective). You may need to remove the “s” from a plural adjective.

“Caraterísticas do programa”

“Program characteristics”

“Prontuário do paciente”

“Patient chart”

“Prontuários dos pacientes”

“Patient charts” or “Patients’ charts”

Here, you have two choices. If you are using “patient” to describe the type of chart, then you do not need the “s” for “patient”. Even though the subject is plural, such adjectives in English, are not plural. However, if you are using “patients” as a possessive adjective (the charts belonged to the patients), then you can keep the “s”, but you must put an apostrophe before or after the “s”. If there is one patient, then the phrase should be “patient’s charts”; if there is more than one patient, then the phrase should be “patients’ charts”.

There are a few common phrases in science that are normally written as noun-“of”-adjective in English. For example:

“Número de casos” should remain as “number of cases”, and not “case number”.

“Departamento de Imunologia” can stay as “Department of Immunology”.

An extra note on the usage of “of”: here is another very common mistake:

“Em 2010, houve 8.8 milhões de casos dessa doença no mundo.”

Incorrect: “In 2010, there were 8.8 millions of new cases of this disease around the world.”

Incorrect: “In 2010, there were 8.8 millions new cases of this disease around the world.”

Correct: “In 2010, there were 8.8 million new cases of this disease around the world.”

Here is a mnemonic device, or a short memory aid, to help you to remember these first five tips:

It is (Tip #1), the (Tip #2), formal state (Tip #3), that (Tip #4) is described (Tip #5, referring to adjectives, which describe).

It is/the/formal state/that/is described.

It is the formal state that is described.

trans2

Recite or write this phrase at the top of your manuscript before reviewing your work to remember what to look for while revising. Just these first five tips are simple quick fixes that will drastically improve your writing. The remaining five tips are more stylistic and contextual but equally important.

6. In Portuguese, it is common to use an “assumed” subject if you have already mentioned the topic in the previous sentence; however, in English, you need to continue to explain what you are referring to throughout the phrase.

“Neste estudo, 74 pacientes foram incluídos. Destes, 7 (9.5%) foram do sexo masculino.”

Directly translated:

“In this study, 74 patients were included. Of these, 7 (9.5%) were male.”

However, it is important to restate your subject. The importance of this practice will become more apparent in longer, more descriptive phrases. Otherwise, in English, it sometimes becomes difficult to tell which subject you are referring to in the subsequent phrase.

“In this study, 74 patients were included. Of these, 7 (9.5%) patients were male.”

Remember -it is more important to be parallel when writing in English than to not be repetitive.

7. Try to use the first person (“I” and “we”) as little as possible and exchange it with passive voice.

The usage of active and passive voice in the scientific literature has been intensely debated over the years. Whereas some would argue that active voice is more to-the-point, passive voice also has its uses. The suggestion to use passive voice here is directly related to Portuguese-English translation, in which the first person plural is often overused.

Many phrases in Portuguese will begin with “we” assumed:

“Encontramos vários tipos de mosquitos.”

This phrase would directly translate to:

“We found various types of mosquitos.”

Many native English-speaking researchers will use “we” in their writing, quite often actually. However, there is a defined theory as to why passive voice is specifically used in the scientific literature and not in other types of written material in English. In general, passive voice is used to give emphasis to an object upon which an action is being performed. For example:

In active voice: “The man ate the apple.” The main point of this sentence is that the man was the one who ate the apple.

If we reverse it to passive voice: “The apple was eaten by the man.” Now the main point of the sentence is that the apple was eaten.

Returning to the previous phrase, if you say “we found various types of mosquitos,” then you are emphasizing that you found the results.

Now, if you put the phrase in passive voice: “Various types of mosquitos were found.” Here, you are emphasizing that various types were found, and it’s no longer as important that you found them. In this case, you are emphasizing that in your well-designed study, which can be repeated by any other researcher, various types of mosquitos will be found. After all, aren’t reproducible results what is truly important to emphasize when communicating research?

Feel free to use “we”, keeping in mind the above-described theory. If you do use it, try to limit the use of “we” to convey information or results that you would like to emphasize as novel or high impact. Additionally, “we” should be used instead of passive voice when a verb phrase constructed in passive voice plus a gerund is not being performed by (or does not match) the subject:

Incorrect: “PCR was conducted using taq DNA polymerase.” Here, it is not PCR that is “using” taqDNA polymerase; it is the author. Therefore, “we” would be the appropriate choice.

Correct: “We conducted PCR using taq DNA polymerase.”

The verb “to use” is most commonly misused in this context. You should conduct a “Find” search in Microsoft Office Word for “used” and “using” to check whether you have used this verb correctly. I specifically did not include a Portuguese version of this phrase because this is a very common mistake that is even found in published texts written by native English speakers.

8. In your graphs, titles should always be singular, and do not use “variables” as a heading.

A variable is only a variable in the methods when you are analyzing your results, after which it becomes a characteristic, risk factor, demographic or other parameter. Be sure to change ALL of your decimal commas into decimal periods! Highlighting the table and conducting a “Find”/“Replace” search for “,”/”.” can help to ensure that you don’t miss any.

Table thumbnail

9. Prepositional phrases, transitions and adverbs in the beginning of sentences should be followed by a comma:

“Neste estudo encontramos este resultado.”

“In this study, this result was found.”

Other common phrases:

In Brazil,

Of these,

However,

Therefore,

Currently,

As previously reported,

Try to read the phrase aloud. If you take a breath or pause when reading the sentence, then you likely need a comma there. If a sentence contains more than two commas (not including lists), it should be split into more than one sentence.

10. If it is poorly written in Portuguese, then it will be poorly written in English.

Translators are not miracle workers. Make sure that you consult a Portuguese professional, or simply have a colleague, friend or other professor read your work critically, specifically for the Portuguese. When a translation is returned to me because the journal requested a review by a native English speaker, I normally find unfamiliar, random paragraphs with very poor or confusing English in the submitted manuscript. Frequently, when a “final draft” is circulated among a group of researchers for final approval before submission, co-authors will add last-minute details, thoughts or references. These extra paragraphs with unrevised English are easy to identify and decrease the overall quality of the text. Thus, always make sure you are sending the absolute final draft for translation. Just one paragraph could result in having the paper returned to you for “review by a native English speaker”, unnecessarily delaying the paper’s publication for weeks to months and adding costs for additional English revision. Worse, the reviewers may think you did not care enough to review your paper carefully before submission, biasing how they rate the manuscript in general. A well-written article can eliminate the possibility of reviewers rejecting a paper solely because they could not understand the main point or the relevance of the research to the journal at first read. Reviewers do not have the time to stop and read over and over again to understand the meaning of your article. It is up to you to show them why your hard work should be published in their journal. Don’t let something like poor English, which is not related to the quality of your research, cause your rejection.

Above all, remember that the underlying principle in scientific writing in English is “less is more”. This concept varies greatly from the principle underlying most formal Portuguese writing, in which you must be elaborate to be understood. Consider preparing an outline before you begin writing, and try to avoid deviating from it. An outline will help you to be more objective and rational about the who, what, when, why and how of your research, which will be reflected in the quality of your work in English. Even if an idea is related to the topic of your research, if the idea does not add to the rationale of why you conducted the study or why you obtained your results, cut it out. Another strategy is to find a similar paper from the same journal to which you will submit your manuscript and try to mimic its style, structure and content.

As a final note, one too many “first reports” are beginning to emerge. As English has a large selection of adjectives and descriptive phrases, the overuse of this phrase is quickly becoming apparent. Although the phrase may appear to add significance to your work, it sounds like a simple descriptive study when translated to English. Such phrasing does not grab a reader’s attention and suggests that the study did not have a research question. Try to focus your title on the larger research question or the most important result of your study.

It is my hope that you have found this summary of my experiences to be helpful and informative. Brazilian institutions have an incredible wealth of information to share with the international community. There is no more important moment than now for Brazilian research to be fairly and accurately seen, heard and understood.

ACKNOWLEDGMENTS

The author would like to thank Dr. Lee Riley of the University of California, Berkeley, and Dra. Claudete Araújo Cardoso and Dr. Fábio Aguiar-Alves of the Universidade Federal Fluminense for their input and critical review of the manuscript. Marlow MA is supported by NIH Research Training Grant # R25 TW009338, funded by the Fogarty International Center and the Office of AIDS Research at the National Institutes of Health.

Footnotes

No potential conflict of interest was reported.


Articles from Clinics are provided here courtesy of Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de Sao Paulo
Espanglish Translations offers its services:
Technical Translations
Simultaneous Interpretation
Consecutive Interpretation
Scientific Translation
Subtitling
Website Translations
atendimento@espanholinglescuritiba.com.br 

Hablas Português? Estrangeiros contam como é aprender o idioma

Os estudantes mexicanos Everardo Peraza, Leonardo Farias, Rodrigo Nava, Fernando Ramirez, Gerardo Aldrete e Carlos Santoscoy (da esquerda para a direita) |
Os estudantes mexicanos Everardo Peraza, Leonardo Farias, Rodrigo Nava, Fernando Ramirez, Gerardo Aldrete e Carlos Santoscoy (da esquerda para a direita)
IDIOMA
Hablas Português? Estrangeiros contam como é aprender o idioma
Gringos que moram em Curitiba contam que o portunhol é uma armadilha, que se confundem com o “pois não” e que até comprar pode ser embaraçoso

18/09/2014 08h36 Tatiana Marotta, especial para a Gazeta do Povo
002Comentários (2)
Depoimento: uma francesa aprendendo a falar português
Quando eu cheguei a Curitiba, tinha um nível básico de português. Ao contrário da maioria dos estrangeiros, eu tinha já estudado a língua de maneira aprofundada. Infelizmente, na França, o português não é ensinado em todas as escolas. A gente tem de escolher entre alemão, espanhol e italiano, na maioria das vezes.

Estudei em um desses raros colégios internacionais que existem na França, em Grenoble. Foram quatro anos de estudos intensivos do português como segunda língua, seis horas por semana. Não posso falar que isso me ajudou, porque saí do colégio aos 15 anos e não tinha como praticar mais a língua.

Mas uma língua nunca é totalmente esquecida; fica em uma parte do cérebro, esperando um estimulo para reaparecer. Assim, depois de um mês no Brasil, eu já conseguia entender quase tudo. Eu só tinha dificuldades com a fala, por causa da vergonha que se sentia ao tentar pronunciar corretamente certas palavras, sem conseguir.

O que eu não conseguia entender eram as piadas que fazia o meu professor na UFPR. No inicio, eu não entendia o sentido das palavras. O pessoal da sala ria tanto, e eu também queria participar, dando a risada… Só que não e fácil fingir. No fim, virou um jogo para os outros estudantes olharem para mim a cada piada, para ver se eu tinha entendido, porque eu sempre era a única quieta na sala.

Hoje, o meu principal problema é o sotaque. Ele é ainda mais estranho do que poderia ser porque eu aprendi o português de Portugal. Sobretudo o “o”, que eu pronuncio “u”; e o “s”, que eu nunca sei pronunciar. As pessoas falam muito que o sotaque dá um charme, mas, para mim, é uma desvantagem. Elas não conseguem me entender e acham também que eu não entendo – o que, na maioria das vezes, é falso. Eu penso que, quando as pessoas falam outra língua, sempre parecem muito fofas e simpáticas, além de um pouco tontas.

Agora, que eu sei falar mais fluentemente, eu posso exprimir todos os sentimentos que tenho. E, para mim, essa era a parte mais frustrante do aprendizado da língua: não poder mostrar quem eu era “na vida real”.

Tatiana Marotta, estudante de Jornalismo

Tandem: bicicleta substitui a sala de aula
Você conhece a palavra “tandem”? Nada mais é do que uma bicicleta com dois bancos. O equipamento é uma metáfora interessante para ilustrar um sistema de aprendizagem de língua reconhecido no mundo inteiro e que no Brasil existe apenas em Curitiba, por intermédio do Celin.

Por meio dele, duas pessoas de diferentes nacionalidades ensinam-se mutuamente os idiomas, enquanto pedalam e transitam pela cidade.

Brasileiros também podem participar do projeto, como faz o universitário de 22 anos Kaio Enrik Santos, que estuda Comunicação Social na Uninter. Pelo menos uma vez por semana, ele troca lições idiomáticas com a sul-coreana de 21 anos Keuhee Shim, conhecida como Estela e que está passando o ano de 2014 no Brasil.

Os dois já foram a museus e restaurantes, e fazem intercâmbio cultural em todos os encontros – esse é um dos objetivos do projeto do Celin. “Na escola, a língua e a cultura devem andar juntos, porque não tem como aprender uma sem a outra”, diz a professora Bruna Ruano, uma das criadoras do projeto em Curitiba.

Kaio foi tão seduzido pelo que aprendeu com a Estela que planeja fazer intercâmbio no país asiático e está tentando criar um convenio entre a Uninter e uma instituição de ensino sul-coreana.Entre fevereiro de 2013 é maio deste ano, o programa teve 736 participantes, sendo 391 brasileiros, 43 coreanos e os demais de outras nacionalidades.

Didática varia conforme o objetivo de cada aluno
O sentido de aprender português varia de acordo com a necessidade de cada estudante.

Professora da PUCPR, Grace Thiel comenta que, para estudantes universitários, é preciso se aprofundar na língua e ensinar diferentes gêneros textuais, para que eles possam escrever textos acadêmicos. “Peço para eles fazerem várias apresentações na frente dos outros, para que se acostumem a falar”.

O Centro de Línguas e Interculturalidade (Celin) da UFPR acolhe também turistas e trabalhadores estrangeiros. Tem destaque o programa do governo Português Brasileiro para Imigração Humanitária (PIBH), que recebe 200 refugiados haitianos. Os professores adaptam a metodologia de ensino, pois eles chegam sem falar nada de português. “O objetivo deles é sobreviver, eles precisam conseguir emprego no Brasil. Então, são mais aulas de pratica da língua do que de gramática”, conta a professora de português no Celin Bruna Ruano.

Hablas Português? Estrangeiros contam como é aprender o idioma
As estudantes Rasha Hassan Hussein (Sudão), Dalia ElRashid Yousif (Sudão) e Valentina Facchin (Itália) (da esquerda para a direita)

Aprender a falar português em alguns meses não é tarefa simples para os estrangeiros que moram temporariamente no Brasil. A pronúncia, a gramática, a conjugação e mesma a integração cultural… Tudo isso é uma barreira para que os visitantes voltem para casa fluentes no idioma.

A Gazeta do Povo conversou com estudantes de outros países que estão em Curitiba e conta, nos tópicos abaixo, como eles têm se virado para dominar a nossa língua.

O perigo do “portunhol”

Os latinos conseguem entender e falar português mais rapidamente que os demais, por causa das raízes comuns das palavras. “Às vezes, é só adicionar “o” ou “a” no fim da palavra em francês e já estou falando brasileiro [sic]”, conta Elodie Mervelay, estudante francesa de 24 anos que cursa Administração na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Quem tem mais vantagem são os hispanos, que se beneficiam das grandes similaridades entre o português e o espanhol. “Eu precisei de apenas uma semana para poder dizer que já eu entendia tudo”, relata Andrés Cuartas, colombiano de 27 anos que está à procura de um emprego no Brasil.

Mas a semelhança entre diferentes idiomas também é perigosa. Hispanos precisam tomar cuidado para não acabar falando o “portunhol”, mistura das duas línguas, que pode atrapalhar o processo de conhecimento da língua portuguesa. ”A gente pensa que está entendida e, por isso, acha que não precisa fazer mais esforço”, diz Cuartas.

As línguas que têm outras raízes se afastam do português em relação à fonética e à etimologia das palavras, o que dificulta aprendizado. “Um hispanofalante que nunca estudou português antes de chegar aqui vai entender tudo diretamente. Um coreano, ao contrario, além de ter estudado dois anos de português antes, vai entender apenas 15%”, afirma a professora de português no Celin Bruna Ruano.

Ela acrescenta que, com tempo e dedicação, um estudante asiático pode até superar um hispano no domínio da língua, pois precisará escrever bastante, o que lhe dará mais capacidade para entender o idioma.

Problemas para comprar pão

Outra grande dificuldade para os estrangeiros é pronunciar corretamente os sons do português, com a adequada ênfase nas sílabas tônicas. “Tenho muitas dificuldades com a pronúncia. Há sons em português que não existem na fonética coreana” conta Amanda Cho, coreana de 22 anos que aprende português no Centro de Línguas e Interculturalidade (Celin) da UFPR.

O intercambista mexicano Rodrigo Nava, 20 anos, que estuda arquitetura na PUCPR, diz que tem dificuldades para diferenciar a pronúncia de palavras como maçã e massa, e também avô e avó.

Professora da PUCPR, Grace Thiel explica que o maior obstáculo está na pronúncia de sons nasais, como o das palavras pão e João. Trata-se de uma terminação sonora que só existe em português. “Fui para a padaria e não consegui falar certo a palavra ‘pão’. As pessoas começaram a rir de mim. Então, precisei fazer gestos para ser entendida”, narra Emna Bem Khedher, estudante tunisiana de 23 anos da UFPR.

Outro fonema complicado é o decorrente das palavras começadas com “r”, como rato. Sofrem especialmente com isso alemães, franceses e falantes de língua inglesa. “Quando eu tento falar a palavra ‘rolado’, dá para reconhecer imediatamente meu sotaque germânico”, diz a estudante alemã de 23 anos Adriana Palasescu.

Já para quem fala espanhol, o problema maior está na pronúncia da letra “v”, frequentemente confundida com “b” para ser entendidos.

Em se tratando de língua escrita, a acentuação também é uma barreira. “Na Itália, só há acentos no final das palavras, nunca no meio”, explica Greta Botanelli, estudante de 24 anos, que cursa design na UFPR. A única maneira para superar tais problemas, afirma Grace, é a pratica. Ela diz que não é possível simplesmente erradicar o sotaque, mas diz que, com tempo e treinamento, ele pode ser suavizado. Muitas vezes, isso não ocorre, pois é comum que estudantes estrangeiros fiquem no Brasil por apenas 6 meses, tempo insuficiente para falar mais naturalmente.

Piada sem graça ou sem sentido?

O estrangeiro que se propõe a falar português não enfrenta somente as dificuldades da língua, mas também se depara com um choque cultural.

Os alunos dos cursos de português da PUC e do Celin recebem lições sobre características culturais brasileiras, muitas das quais se refletem na fala. “Temos de ensinar expressões do idioma, como ‘pois não’, que a maioria entende como resposta negativa”, disse Grace.

O humor brasileiro também não é compreendido imediatamente pelos estrangeiros. Grace conta que muitas piadas não arrancam risos dos alunos. “No ano passado, eu fui assistir ao filme ‘Minha mãe é uma peça’ e, sinceramente, não entendi nada. Não porque o meu português não era bom, mas porque não entendia o sentido das piadas”, disse a alemã Adriana. “Mesmo assim, eu ri muito, porque parecia engraçado para os outros”, acrescenta.

Para além dos casos inusitados, as diferenças culturais também podem modificar a dimânica de aprendizado da língua. Bruna conta que alunos da Coreia do Sul não estão acostumados a fazer perguntas no meio da aula. ”Eles esperam o fim para não atrapalhar ninguém” conta.

PUBLICIDADE

Imprimir Comunique erros Envie por email Fale conosco

Por trás das dublagens. (Entrevista com o dublador de personagens da Disney, Filipe Cavalcanti)

por Dannie Karam
em 24/10/2014

Cá entre nós, mesmo que não seja preferência nacional, em alguns casos, as versões dubladas de filmes e séries se tornam mais clássicas do que os originais. Outras vezes, a graça é exatamente em ver as diferenças entre as dublagens ou tentar, por exemplo, reconhecer quem é o ator, pelo dublador fixo que está acostumado a representá-lo.

E as curiosidades ao redor do assunto são enormes. Vai dizer que você nunca quis saber como são feitos os barulhos de choro, beijos ou esforços físicos? Ou como funciona a dublagem de desenhos animados? Para tirar essa e várias outras dúvidas sobre esse processo, falamos com o dublador profissional Filipe Cavalcanti, que trabaha há seis anos na área. Filipe já atua desde os 7 anos, e faz dublagem para personagens da Disney, incluindo do filme Toy Story (Ervilhinha)! Veja o que ele conta sobre sua profissão.

Be Style – Como surgiu o seu interesse em ser dublador? Como você se preparou para isso?

Filipe – Desde pequeno eu e meu pai ficávamos brincando em reconhecer as vozes dos dubladores, sempre gostei muito de dublagem, quando comecei a trabalhar como ator, conheci no teatro o ator Claudio Galvan que é um grande dublador brasileiro, ele faz a voz do Pato Donald no Brasil, como eu já admirava seu trabalho de dublador, tive a oportunidade de começar a estudar essa arte com ele e também com a grande dubladora Flávia Saddy, após alguns meses de estudo ingressei no mercado de trabalho de dublagem e não parei mais.

Be Style – Como são escolhidas as vozes para os personagens?

Filipe – As vozes são escolhidas através de testes, os diretores escalam os dubladores para o teste e o cliente escolhe as vozes para cada personagem.

Be Style – Você faz vozes de quais principais atores? E como você se sente “sendo” esse ator por um dia?

Filipe – Um dos principais atores que faço a voz há 5 anos é o Bradley Steven Perry da Disney. Temos a mesma idade e dublo ele desde os 9 anos. O legal é que crescemos juntos, inclusive nossas vozes amadureceram e passaram por mudanças na mesma época. É um grande prazer dublar esse ator, curto demais o trabalho dele, na verdade nossas vozes são muito parecidas, inclusive uma vez eu estava na Argentina e assisti a mesma série dublada em espanhol, incrível como a voz do dublador de lá também é idêntica a minha. Muito legal!

Be Style – Como é que vocês fazem barulhos de beijinhos?

Filipe – Quando dublamos beijos precisamos beijar nossa mão, pois o barulho fica mais fiel ao original. É uma coisa meio doida, mas o resultado fica perfeito.

Be Style – Quando o personagem é ferido, está correndo, ou ofegante, você tem uma técnica específica ou de certa forma, encena também para que a voz faça os barulhos certos?

Filipe – Todas as ações são encenadas, precisamos nos concentrar e colocar na voz toda a emoção que a cena exige. Uma amiga dubladora me contou que uma vez um diretor a pediu para dublar deitada, pois a personagem falava muito deitada e a voz acaba dando diferença de quando estamos em pé, tudo é possível para que o trabalho fique perfeito, seguimos também a orientação do diretor.

Be Style – E o choro? E as gargalhadas? Você consegue fazer de forma genuína ou é tudo técnica?

Filipe – Precisamos de muita concentração para dublar, em uma cena de choro precisamos mergulhar no sentimento do personagem, se emocionar e viver aquele momento, tem que chorar de verdade, tem que rir de verdade, precisamos passar o sentimento coma nossa voz e com a nossa respiração. No início é mais difícil, mas com o tempo e prática tudo vai ficando mais fácil.

Be Style – Como funciona o processo de sincronização labial? É você quem encaixa as palavras para adaptar, ou o texto já vem “pronto” para gravar?

Filipe – Quando entramos no estúdio para dublar, recebemos o texto traduzido, ouvimos todo o tempo pelos fones o som na língua original (inglês, Espanhol, francês etc…) e temos um contador que aparece na tela com a minutagem das falas. Precisamos ter sincronismo, primeiro ouvimos, depois ensaiamos e por fim gravamos, nem sempre as palavras da tradução caem perfeitamente, às vezes é preciso mudar alguma coisa.

 Foto: Reprodução

Be Style – Você interage com outros colegas dubladores, ou as gravações dos personagens são feitas separadamente e depois editadas?

Filipe – As gravações são feitas separadamente e depois editadas, às vezes dublamos personagens da mesma família e de acordo com os horários nunca nos encontramos com os outros dubladores da mesma série. Porém, existe a exceção da dublagem que chamamos de vozerio, neste caso alguns dubladores gravam todos juntos no estúdio, é a dublagem de uma torcida, de muitas pessoas falando de fundo ao mesmo tempo. Somente nesses casos os dubladores se encontram e trabalham todos juntos.

Be Style – Você também faz dublagem de grandes desenhos animados, certo? Como você cria “esse personagem” através da sua entonação?

Filipe – Às vezes é necessário fazer uma voz mais grossa ou fazer uma voz mais fina. Isso tudo é combinado com o diretor, porém temos que sempre nos lembrar de fazer a voz do determinado personagem da mesma forma.

Be Style – É fácil entrar nesse mercado de trabalho ou é um grupo mais restrito? São muitas horas de trabalho por dia? Conta um pouquinho mais sobre seu dia-a-dia nessa profissão.

Filipe – Como todo o mercado de trabalho nada é fácil, tem que ter empenho, disponibilidade, talento e estudar para aprender as técnicas. Eu comecei a dublar com 9 anos e não parei mais, comecei a dublar para um estúdio e como gostavam do meu trabalho, foram me chamando para outros estúdios e por fim eu dublava para mais de 10 estúdios no RJ. Como eu vou para escola pela manhã, sempre dublei à tarde e à noite. Às vezes eu fazia 4 horas em um estúdio e depois corria para outro, fazia mais 2 horas, depois outro e assim por diante, sempre almocei e estudei dentro do carro, minha mãe sempre agendou meus horários e me leva de um estúdio para o outro. É bem corrido, mas amo demais o que faço. Quando fui contratado para fazer a novela Chiquititas do SBT precisei diminuir muito meu trabalho de dublagem por causa dos horários de gravação, mas felizmente recebi o convite da Disney para dublar o Kaz na série MegaMed aqui em SP, amo dublar e não consigo viver sem.

Be Style – O que você recomenda para quem deseja fazer esse trabalho? E quais os seus cuidados com a sua voz?

Filipe – Primeiramente o dublador tem que ser ator, o curso de dublagem é indispensável para aprender as técnicas de dublagem, mas não vai te ensinar a interpretar. Por isso, para quem quer entrar na carreira artística, independente de ser dublagem, televisão, cinema eu recomendo que façam um curso de teatro, pois é a base para tudo. Eu comecei minha carreira estudando teatro aos 6 anos, considero super importante. Sobre a voz, ela é nosso instrumento de trabalho, eu tenho muito cuidado, protejo sempre a garganta, dificilmente tomo sorvete e evito bebidas muito geladas. Horas antes de gravar evito alimentos derivados do leite, pois podem alterar levemente nossa voz, faço exercícios vocais e bebo muita água.

Be Style – Tem algum segredinho ou grande curiosidade que aconteça nos bastidores que você possa contar pra gente, pra nunca mais ouvirmos uma dublagem da mesma forma? (rsrs)

Filipe – Como o dublador não tem sua imagem divulgada, por muitas vezes as pessoas são apaixonadas por uma determinada voz e não fazem ideia de como é o dono dela. O personagem pode ser de um ator super forte de 2 metros de altura e na verdade a voz ser de um dublador magrinho e baixinho. É um mundo mágico e amo fazer parte dele. Também acho que o grande barato da dublagem é você estar sozinho em frente a um microfone, falando, fazendo caras e bocas, chorando, rindo, gritando, é uma coisa meio louca, mas apaixonante.

Fonte: site BeStyle.com.br

Be Style – O que você acha sobre a qualidade das dublagens atuais, e o que você acha de quem tem “preconceito” com filmes ou programas dublados?

Filipe – A dublagem brasileira é maravilhosa, preconceito existe, acredito que cada um pode escolher o que mais lhe agrada, porém as pessoas esquecem ou desconhecem a importância da dublagem, filmes e programas dublados não é coisa só para criança. Minha mãe tem um grande amigo que é deficiente visual, ele sempre ficou muito feliz em saber que eu dublava porque para quem não pode ler a dublagem tem uma grande importância, eles podem escutar um filme, um documentário é uma forma de inclusão.