Quer ser intérprete de conferência? Perguntas frequentes

P: O que faz um intérprete de conferência?

Dito de forma sucinta, os intérpretes de conferência tornam possível a comunicação multilíngue.

Aprendem a saber ouvir de forma ativa o que é dito na língua de origem, por ex:

  • A compreender a mensagem na íntegra
  • No contexto em que é proferida
  • Qualquer que seja o tema versado.

São capazes de transpor para a língua (de destino) o que está a ser dito, respeitando o significado original, o tom, a intenção e o estilo do orador.

P: O que é preciso para se tornar intérprete de conferência?

Personalidade, formação e integridade profissional.

Quem desejar formar-se como intérprete deverá ter uma aptidão inequívoca para tal, uma grande curiosidade intelectual e nervos de aço. É evidente que excelentes competências linguísticas e uma sólida cultura geral são requisitos fundamentais.

Um futuro intérprete deve poder compreender e processar rapidamente a informação que lhe chega, ter um grande poder de concentração, saber reagir pronta e serenamente a uma mudança de situação, possuir uma boa resistência física e nervos sólidos, uma voz agradável e saber falar em público. Um intérprete potencial deve saber associar à curiosidade intelectual, tacto e bom senso.

Uma vez atestadas estas capacidades é necessária uma formação especializada nos métodos e técnicas da interpretação de conferência.

E por fim, um intérprete deve ser dum grande rigor intelectual. Para um intérprete de conferência a integridade profissional tem regras muito claras que regem a profissão (segredo profissional, normas profissionais, etc.).

Estas normas são necessárias para:

  • Garantir a qualidade do seu desempenho
  • Proteger a sua saúde e gozar duma longa vida activa
  • Ser reconhecido pelos seus pares
  • E inspirar e manter a confiança dos seus clientes.

P: Quais são as principais diferenças entre intérpretes e tradutores?

Os tradutores trabalham com a palavra escrita. Têm pouco contacto com o autor do texto e com o leitor mas dispõem de mais tempo para apresentarem o seu trabalho. Juz lhes seja feito, a sua produção permanece no tempo. Pode ser alvo de publicação, lida e relida, utilizada e reutilizada e pode até tornar-se uma referência.

Os intérpretes trabalham a oralidade e precisam de transmitir o significado, da melhor forma possível, no momento. Estão em pleno processo de comunicação que é dirigido a um público presente e/ou ouvinte.

P: Os intérpretes repetem palavras como os papagaios?

Interpretar significa compreender o significado que o orador quer dar no contexto daquele encontro e comunicar essa mensagem aos ouvintes tendo em conta as diferenças culturais e linguísticas. Qualquer tradução literal (palavra a palavra) produz maus resultados. Ainda mais quando duma interpretação pois o verdadeiro intérprete profissional procura sempre o significado do que está por trás das palavras. A grande máxima do intérprete é: pensar antes de falar.

P: Nascemos ou tornamo-nos intérpretes?

É necessária formação, prática, um comportamento profissional íntegro e muita perseverança para prosseguir uma carreira como intérprete de conferência profissional. Estar em contacto com línguas estrangeiras e culturas diferentes não basta. Antes de se poder iniciar uma carreira profissional, é necessário dominar os métodos e técnicas da interpretação transmitidos a nível universitário. Não é necessário ser nado e criado num ambiente familiar multilíngue para se tornar um intérprete. Hoje em dia a maior parte dos intérpretes adquiriram as línguas estrangeiras que dominam estudando-as, só que a um grau muitíssimo aprofundado.

P: Dá-se pela presença do intérprete?

Os intérpretes profissionais exercem uma função exigente com a máxima discrição. Numa situação ideal, as delegações presentes num encontro comunicariam entre si tão eficientemente que não dariam pela barreira da(s) língua(s).

Assim, deve estar ciente que:

  • Dominar perfeitamente a língua materna é crucial para que o trabalho do intérprete seja de qualidade; por vezes este aspecto é descurado no afã de se aprenderem novas línguas;
  • Conhecer profundamente e extensivamente línguas requer um esforço de estudo permanente e o contacto constante com o seu meio.

Regra geral ser intérprete requer um diploma universitário e uma pós-graduação em técnicas de interpretação de conferência. O ramo do conhecimento que confere o título universitário não tem forçosamente que ser em línguas, mas para se exercer interpretação é óbvio que o seu conhecimento tem que ter atingido um nível muitíssimo exigente. Para a maior parte de vós a opção poderá ser a de um curso universitário em línguas modernas.

Uma excelente combinação pode ser a dum diploma universitário num ramo completamente diferente, seguido duma pós-graduação em interpretação de conferência desde que as competências linguísticas estejam presentes. Qualquer ramo do conhecimento é útil no mundo das conferências.

P: E que tipo de cultura geral tem utilidade?

Os intérpretes de conferência trabalham para uma gama muito variada de clientes e públicos, em muitos tipos de reuniões que abordam uma diversidade de temas: econômicos, financeiros, jurídicos, políticos, científicos, informáticos, teológicos, desportivos, médicos, etc..

Apesar de peritos em comunicação inter-cultural, não podem ser chamados a ser peritos em todos os temas sobre os quais versam as conferências. Um intérprete deve ter uma curiosidade intelectual e uma força de vontade que o leve a querer aprender novos assuntos.

A preparação  é o elemento chave para poder dominar todos os tipos de discurso e todos os tipos de orador. Não basta compreender o sentido do que o orador está a dizer, é necessário saber transpor esse significado para a língua de destino.

Um intérprete precisa de estar ao corrente dos acontecimentos no plano nacional e internacional e aprofundar a sua cultura geral. Os intérpretes de conferência profissionais ”sofrem do bichinho das notícias quaisquer que elas sejam”, pois quantas vezes são feitas referências inesperadas e esse conhecimento vem mesmo a calhar.

P: Será que a profissão vai sobreviver à hegemonia do Inglês?

Cabe aos organizadores das conferências escolher as línguas em que se vão desenrolar os trabalhos. Essa escolha pode ser orientada por considerações políticas (ex: as línguas da União Europeia, as línguas oficiais da Confederação Helvética, etc.), por considerações de ordem diplomática ( se a conferência tem especificamente a ver com certos países ou regiões do globo), por razões de facilitação ( ex: os simpósios médicos desenrolam-se normalmente em Inglês e na(s) língua(s) do país anfitrião) ou por razões históricas.

Cada vez se recorre mais à língua inglesa  nas reuniões internacionais. Um número cada vez maior de pessoas aprende inglês e pode utilizar essa língua. O que não quer dizer que saibam utilizá-la de forma adequada ou que dominem na perfeição as suas subtilezas, ou que se sintam à vontade para se exprimirem nela. Muitas pessoas se dão conta que falar uma língua estrangeira e ouvir numa língua estrangeira (mesmo sobre um assunto da sua especialidade) é extremamente cansativo, e que recorrer a intérpretes de conferência profissionais e bem preparados garante a comunicação.

As línguas estão intrinsecamente ligadas ao patrimônio cultural e cada um de nós dispõe de recursos na sua língua de que não dispõe na(s) língua(s) adquirida(s). Ciente desta realidade a AIIC redigiu a Declaração sobre a preservação da diversidade linguística.

Parece haver uma tendência muito nítida, em certas regiões do mundo e em certos sectores, no sentido de se utilizar apenas a língua inglesa nas reuniões (nomeadamente naqueles onde dominar o inglês é equivalente a promoção na carreira e confere estatuto). Como a procura é dinâmica, na União Europeia para além das línguas tradicionalmente bem enraizadas como o francês, o alemão ou o espanhol, também o checo, o polaco ou o finlandês apareceram; na Ásia temos agora o chinês nas conferências. Novas instâncias internacionais como os Tribunais Penais Internacionais  necessitam das línguas em que decorrem os processos. É por isso extremamente difícil prever se vai ou não haver uma grande procura para uma determinada combinação linguística.

P: As máquinas acabarão por substituir os intérpretes?

A tradução automática apareceu como a panaceia universal, logo nos anos 60. Os sistemas disponíveis têm vindo a ser paulatinamente melhorados sem que tenha havido grandes sobressaltos nem soluções milagrosas. A tradução automática permite o tratamento em grande quantidade e velocidade do mesmo tipo de texto como, por exemplo, os cadernos de encargos de concursos públicos.

Mas a oralidade é mais complexa que a palavra escrita. Apesar de progressos espetaculares no campo do reconhecimento da voz, os dispositivos existentes não conseguem substituir o ser humano-intérprete.

Uma coisa é certa: os intérpretes beneficiam muito das evoluções mais recentes no campo da tecnologia. Tanto os glossários como os documentos necessários para uma reunião estão disponíveis eletronicamente e podem ser descarregados para computadores. Hoje em dia há um maior número de vídeo conferências, e os intérpretes trabalham também em situações onde os oradores comunicam por satélite. O contexto e a forma como os intérpretes trabalham evolui, mas a profissão beneficiou sempre da inovação tecnológica.

fonte: http://aiic.net/

Espanglish Traduções oferece serviço de intérprete simultâneo e consecutivo em todo o Brasil. Também locamos equipamento de tradução simultânea da melhor qualidade.

Intérprete simultâneo e consecutivo em inglês, espanhol, italiano, alemão, árabe, japonês, chinês e outros 20 idiomas.

http://www.espanglish.com.br

(41)3308-9498 / 9667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

Anúncios

O que é a interpretação de conferência?

A interpretação de conferência tem a ver exclusivamente com a comunicação oral: transpor uma mensagem de uma língua para outra, com naturalidade e fluência, adoptando a linguagem, o tom e as convicções do orador e falando na primeira pessoa.

Não deve ser confundida com a tradução, que diz respeito apenas a textos escritos. A tradução de documentos é da responsabilidade da Direcção-Geral da Tradução da Comissãoexternal link.

Nas conferências internacionais participam pessoas oriundas de meios e culturas diferentes, que falam línguas diferentes. Cabe ao intérprete permitir-lhes comunicar entre si, não pela tradução palavra a palavra mas pela transmissão das ideias.

Regime linguístico e línguas activas e passivas são expressões utilizadas pelos intérpretes para designar as línguas em que as intervenções podem ser feitas ou ouvidas numa reunião multilíngue.

A combinação linguística de um intérprete de conferência indica o número de línguas de partida ou de chegada de um intérprete trabalhando em modo simultâneo ou consecutivo. A interpretação simultânea é feita numa cabina insonorizada.

Existem vários tipos de interpretação :

Consecutiva– interpretação depois de terminada a intervenção do orador…

Simultânea– interpretação durante a intervenção do orador…

Relais– interpretação entre duas línguas, passando por uma terceira…

Retour– interpretação da língua materna para uma língua estrangeira…

Pivot– utilização de uma única língua como relais…

Cheval– um intérprete que trabalha alternadamente entre duas cabinas, na mesma reunião…

Assimétrica– os delegados ouvem a interpretação apenas para algumas línguas…

Chuchotage– interpretação simultânea em voz baixa…

Língua gestual– interpretação simultânea para a língua gestual …

Tradução simultânea, sussurrada e consecutiva é com a Espanglish Traduções! Equipamento de primeiro nível e intérpretes nas mais diversas línguas (inglês, espanhol, chinês, japonês, italiano, francês, alemão, turco, árabe, russo, polonês, etc).

Faça um orçamento sem compromisso.

http://www.espanglish.com.br

(41)3308-9498 / 9667-9498    atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

A importância do inglês para engenheiros

Dizer que é preciso dominar a língua inglesa para se dar bem no mercado de trabalho pode parecer lugar comum, mas principalmente na área de Engenharia, o alerta é mais do que relevante. Se a demanda do setor já é muito maior do que o número de profissionais que se formam na área a cada ano, a situação é ainda pior quando a busca é por profissionais com inglês fluente.

Para se ter uma ideia, em média, apenas cerca de 30% dos candidatos às vagas que pedem fluência no idioma, de fato, têm o nível desejado. O profissional de Engenharia ainda tem a crença de que o inglês técnico adequado para a leitura de manuais ou até mesmo para envio de e-mails é o suficiente. Mas este conceito está mais do que ultrapassado.

O mercado brasileiro está bastante aquecido, com destaques para os setores como o de construção civil, óleo e gás, energia e automotivo. Alguns destes segmentos têm motivado a entrada de multinacionais no País, fundos de investimentos estrangeiros cada vez mais interessados em participar das obras de infraestrutura brasileiras, além de fusões e aquisições entre empresas internacionais no Brasil.

Para atuar em setores cada vez mais globalizados, é preciso que o profissional de Engenharia seja capaz de se comunicar em inglês. Reportar resultados referentes ao andamento do projeto de uma usina hidroelétrica financiada com investimentos estrangeiros é um exemplo. Atender às demandas de empresas que almejam que seus profissionais tenham condições de buscar no exterior novas tecnologias também é uma necessidade recorrente.

Em um mercado com escassez de profissionais fluentes em inglês, quem possui esta habilidade, claro, tem grandes chances de crescimento dentro da empresa. No setor de óleo e gás, um dos que mais demandam este tipo de capacitação, é possível observar profissionais que iniciaram sua carreira como operador de máquinas chegarem ao nível de liderança em pouco tempo impulsionados não só pela sua experiência mas também pela fluência no idioma.

O futuro promissor da economia brasileira, diretamente ligado a investimentos de capital externo, promete um horizonte positivo ao profissional de Engenharia, com oportunidades nos mais variados setores. Para aproveitá-las, no entanto, é preciso estar pronto. Dominar o inglês é fundamental.

fonte: http://www.bibliotecadaengenharia.com/2015/02/a-importancia-do-ingles-para-engenheiros.html

Curso de inglês para engenheiros, Traduções técnicas (manuais, folhetos, livros), Serviço de interpretação para acompanhar engenheiros em plantas, fábricas, companhias.

Espanglish traduções e Cursos

http://www.espanglish.com.br

(41)3308-9498 / 9667-9498

Antenados – Série Profissões: Tradutor e Intérprete

 

www.espanglish.com.br-atendimento@espanholinglescuritiba.com.br-(41)3308-9498

Grandes eventos internacionais como, Copa do Mundo e Olimpíadas, vão atrair mais turistas para o país. Com isso, a profissão de Tradutor e Intérprete, vai ficar em evidência e as possibilidades de trabalho crescerão. Esse é o tema da Série Profissões neste programa. Para falar sobre essa profissão, o Antenados recebe o tradutor Juliano dos Anjos e os alunos Heitor Rubio, Matheus Nascimento, Rafael Barbosa, Caroline Paula, Leandro Caproni e Thais Timóteo. Apresentação de Angélica Monteiro.

Conheça a diferença entre tradução simultânea e consecutiva!

www.espanglish.com.br-atendimento@espanholinglescuritiba.com.br-(41)3308-9498

http://www.espanglishtraducoes.com.br/conteudo/empresa-de-traducao-simultanea.html

http://www.espanglishtraducoes.com.br/conteudo/traducao-ou-interpretacao-consecutiva.html

Na hora de contratar um serviço de interpretação para o seu evento, congresso, palestra, entrevista coletiva ou outros, você sabe qual é a diferença entre a interpretação simultânea e a interpretação consecutiva?
Se ainda não, confira neste artigo as principais diferenças entre as duas modalidade profissionais, para saber contratar a mais adequada para seu evento quando precisar.
Entenda a diferença entre tradução simultânea e consecutiva! Clique aqui.

Interpretação simultânea
Comumente chamada de tradução simultânea, como o nome já sugere, acontece ao mesmo tempo que a fala do orador. O principal objetivo dessa modalidade é interpretar e traduzir, com eficácia e em tempo real ou com pouquíssimo atraso, o que for dito pelo palestrante ou orador.

Nesse caso o intérprete caso escuta o que é dito por meio de fones de ouvido, interpreta a frase e posteriormente devolve a informação traduzida pelo microfone da central de interpretação.
Como o intérprete fala ao mesmo tempo que o orador, é necessário utilizar equipamentos específicos (tais como transmissores, cabines à prova de som e receptores), a fim de evitar que o som da interpretação atrapalhe quem ouve o orador diretamente.
Outro ponto positivo da tradução simultânea é que ela não impacta o tempo total do evento, uma vez que não exige nenhuma interrupção. Vale lembrar que, para que isso seja possível, os intérpretes revezam entre si a cada 20 ou 30 minutos, mas é factível trabalhar sozinho em eventos de até 1 hora de duração.

Além disso, a interpretação simultânea também pode ser feita com equipamentos portáteis. Nesse caso, o intérprete controla da intensidade de sua voz, evitando que ela atrapalhe quem não precisa da tradução ou até mesmo o próprio orador.
Interpretação consecutiva
Nessa modalidade, o intérprete fala após o orador em intervalos pré-determinados. Os intervalos podem ser de alguns minutos ou de frase em frase, o que for melhor para cada caso específico.
Por isso, interpretações consecutivas são mais indicadas para espaços pequenos que tenham limitação para uso de cabines, ou em casos quando o sigilo seja de maior importância. Também é possível usar a interpretação consecutiva estrategicamente, usando a figura do intérprete como apoio para interpretar partes que o contratado determinar.
Considerando-se que cada fala precisa ser dita duas vezes, a tradução consecutiva acaba afetando a duração do evento, que pode levar de 70 a 100% mais tempo.
Uma vantagem da interpretação consecutiva são revezamentos mais longos em comparação com a tradução simultânea, mesmo que não possam trabalhar mais do que uma hora sozinhos.
Aqui os intérpretes utilizam técnicas de memorização e de tomada de notas, outro limitador dos períodos de intervalo. Para realização deste tipo de tradução não há a necessidade de uso de qualquer tipo de equipamento específico que não seria usado caso não houvesse a contratação do intérprete.
Vale destacar que em ambas as modalidades a carga horária é de 6h, que pode ser estendida por até 2h adicionais (consideradas como horas-extras).

Fonte: http://mantrad.com.br

Os intérpretes que viabilizam o trabalho na ONU

www.espanglish.com.br-atendimento@espanholinglescuritiba.com.br-(41)3308-9498

O trabalho nas Nações Unidas seria um cipoal inexpugnável sem o pequeno exército dos intérpretes. Tradutores, como Rebecca Edgington, conduzem reuniões onde 193 nações estão representadas. Eles criam um território neutro da comunicação entre os Estados hostis.

Já pela manhã, Rebecca Edgington, intérprete oficial da ONU desde 2004, entra na cabine de locução mergulhada na penumbra. Lá do alto, ela domina uma grande sala de conferência no Palácio das Nações Unidas da ONU, em Genebra. Rebecca Edgington fala com a voz alta e tão rapidamente que nem parece respirar entre uma palavra e outra.

“… expressam preocupações pela ocorrência do aumento de casos de incitação ao ódio e de outras manifestações de intolerância…”

Ela não está lendo, simplesmente. O texto impresso em russo diante de si está sendo apresentado, ao mesmo tempo, pelo delegado da Bielorrússia. Rebecca Edgington o interpreta em inglês, adaptando-o ao discurso que, ao final, acaba sendo pronunciado sem algumas partes da declaração original.

Estas traduções simultâneas são a missão principal dos intérpretes da ONU. Em reuniões como esta em curso, sobre o relatório dos direitos humanos na Noruega, os discursos são apresentados muito rapidamente. Cada delegado quer dizer o máximo dentro do tempo concedido.

Na melhor das hipóteses, a pronúncia do intérprete soa como se “o orador ou a oradora tivessem o inglês como língua-mãe”, afirma Edgington. Porém, às vezes, “deve-se, simplesmente, transmitir o significado o mais rápido possível.”

Rebecca Edgington faz parte de um grupo de 101 intérpretes com base em Genebra, dos quais 10 trabalham em inglês. A equipe pode contar, ainda, com cerca de cinquenta colaboradores externos.

Trabalho em campo

Rebecca Edgington foi uma das intérpretes durante as recentes negociações sobre a crise na Síria, em Genebra e Montreux. As discussões contaram com as participações do ministro do Exterior, Serghei Lavrov, da Rússia, e do secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Ela também esteve presente em missões arriscadas. Em 2000, como “freelancer” para o Conselho da Europa, Rebecca Edgington viajou pela Chechênia. Ela decolou num helicóptero, depois de proteger o corpo com um colete fluorescente e a cabeça com um capacete. Na ocasião, a intérprete estava junto com um pequeno grupo de diplomatas. Os rebeldes atacaram o voo, mas erraram o alvo.

“Era uma situação muito tensa”, afirma. Quem participa de missões em zonas de guerra é voluntário. Rebecca Edgington, 43 anos, nunca disse não. Hoje, mãe de duas pequenas meninas, pensaria duas vezes e mais “atentamente” antes de aceitar um convite semelhante. Ainda que saiba que seria difícil recusá-lo.

As reuniões da ONU – nos quartéis generais de Genebra e Nova York, ou em uma ou outra cidade do planeta em missão especial – acontecem em um dos seis idiomas oficiais: inglês, francês, russo, espanhol, chinês e árabe.

Alexandre Voitenkov, chefe de Rebecca Edgington e do serviço de tradução de Genebra, explica que os intérpretes da ONU são de países diferentes, mas que as suas nacionalidades não contam muito. “O que é fundamental é a competência e a adesão aos ideais das Nações Unidas.”

Vigiados especiais

Rebecca Edgington, nascida na Inglaterra, traduz do russo para o inglês, além do alemão e do francês. Os intérpretes da ONU devem dominar outros dois idiomas além da língua-mãe.

Traduzir o russo é, especialmente, estimulante – afirma a mulher. Se, aos membros de uma delegação russa, uma palavra ou uma frase escolhida não são bem vistas, ou melhor, bem usadas, eles avisam ao intérprete, mesmo durante a tradução.

Rebecca Edgington cresceu no condado de Cambridgeshire e começou a estudar francês aos 11 anos, alemão aos 12 e russo aos 17. “Eu vivi a perestroika e vendo o Gorbachov na televisão…eu queria entender o que ele dizia”.

Emoções sim, opiniões não

A sua carreira começou em Estrasburgo, na França, onde trabalhou durante nove anos como “freelancer” para diversas organizações europeias, entre elas o Conselho da Europa.

Foi ali que viveu um dos momentos mais emocionantes de sua vida como intérprete. Uma jornalista da Argélia, que tinha publicado artigos muito críticos contra o governo, estava testemunhando.

“Tinha 27 anos, como eu. Ela estava contando sobre quando tinha sido violentada. E relatou que ao voltar para casa, ferida e sangrando, a família a rejeitou”, recorda Rebecca Edgington.

“Eu estava traduzindo junto com um colega, homem. A um certo ponto, ele empurrou a cadeira para trás e eu continuei a traduzir. Quanto terminou, olhei a mesa. Estava toda molhada. Eu apaguei o microfone e lhe perguntei ‘’o que aconteceu?'”

O seu colega lhe explicou que, assim como a jornalista que estava testemunhando, ela tinha chorado durante todo o relato. A jovem intérprete preocupou-se pelo comportamento, a seu ver, pouco profissional. Mas o colega lhe deu força: “Você se transformou nela”, disse ele.

Os intérpretes devem evitar que as suas opiniões pessoais influenciem o trabalho, com exceção apenas para transmitir a emoção do orador.

Neutralidade

“Se temos que traduzir alguém de quem discordamos, devemos fazê-lo da forma mais fiel possível, para manter a neutralidade”, explica Rebecca Edgington.  Mesmo que, “às vezes, fosse autorizado dizer, com um sinal, ‘não sou eu, estas palavras não são minhas!'”.

Rebecca Edgington se ocupa também de formação, sendo a responsável da “cabine inglesa” na ONU, em Genebra. Estudantes selecionados, tendo no bolso um Master em interpretação, visitam a sede por alguns dias ou semanas. Eles praticam a teoria numa “cabine de testes” e, assim, ganham experiência e jogo de cintura com o vocabulário, as expressões coloquiais e a dicção das Nações Unidas.

Neil Cumming, 24 anos, é o mais jovem da equipe da ONU, em Genebra. Originário da Grã-Bretanha, ele traduz do francês e do russo para o inglês. Um dos principais desafios do seu trabalho é o de ser objetivo, absolutamente. “Cada um tem a sua opinião, mas estamos aqui para fazer o nosso trabalho”, diz. “E um dos pontos fundamentais de um lugar como a ONU é que cada um pode dizer o que pensa”.

Resistir ao estresse

Quais são as outras qualidades de um bom intérprete? Para Rebecca Edgington é importante ter autoconfiança e ser um “perfeccionista pragmático”.

Alexandre Voitenkov, por sua vez, revela a importância de aguentar o estresse. “Sobretudo durante as conferências de campo que, muitas vezes, podem durar horas a fio durante o dia, por duas semanas”. Os intérpretes devem, ainda, se interessar pelos negócios no mundo, observa o russo. Ele começou a  carreira em Moscou. E chegou na ONU em 1979.

Rebecca Edgington explica que ela e seus colegas leem os jornais internacionais, regularmente, e realizam pesquisas sobre os temas abordados durante as reuniões. “Todo o trabalho feito fora da cabine” é muito importante, observa.

E fora da cabine é preciso abandonar o próprio ego, pois ser um intérprete significa “ser invisível”, acrescenta. “A ideia é a de não fazer parte da história.”

Tipos de interpretações

Além da interpretação simultânea, existe também a interpretação “consecutiva”, que é o relato posterior sobre os conteúdos de um discurso ou de uma declaração após a conclusão do orador.

Um terceiro tipo de interpretação é aquela “sussurrada”, quanto o intérprete traduz, no pé do ouvido, as frases pronunciadas ao seu interlocutor.

Os intérpretes da ONU traduzem sempre usando a língua-mãe, com exceção nas cabines de árabe e de chinês. Muitas vezes, por falta de tradutores qualificados destes idiomas, eles devem ser traduzidos em inglês ou francês.

 Fonte: http://www.swissinfo.ch

Tradução ou Interpretação Consecutiva

A ESPANGLISH Traduções oferece o serviço de Tradução Consecutiva em mais de 20 idiomas.

A Tradução Consecutiva, também conhecida como Interpretação Consecutiva, é um tipo de tradução que divide a fala de uma pessoa em frações de vários segundos ou minutos para serem traduzidos consecutivamente. Enquanto o discursador se expressa, o intérprete faz anotações e, após determinado tempo, o discursador pausa sua conversa para que o tradutor possa comunicar o que foi dito até esse momento.

Por isso, a Interpretação Consecutiva demora mais tempo que Interpretação Simultânea. Mas, por outro lado, a Tradução Consecutiva possui uma escala de precisão maior do que a Tradução Simultânea.

O serviço de Tradução Consecutiva costuma ser solicitado para pequenas reuniões de negócios, visitas, palestras e videoconferências.

A ESPANGLISH Traduções dispõe de profissionais treinados para o Serviço de Interpretação Consecutiva, todos eles com absoluto domínio e fluência nos idiomas envolvidos e preparados para atender as suas necessidades e expectativas.

O que é necessário para realizar uma conferência com Tradução Consecutiva?

Como em toda reunião, é recomendável um ambiente fechado, que apresente boa visualização e acústica e que permita aos participantes uma fácil interação com o palestrante. Em caso de necessidade de uso de microfones, é necessária uma pequena estrutura tecnológica para atender as necessidades do evento.

Para solicitar um Serviço de Interpretação Consecutiva é preciso saber

  • Nome da Empresa e do local do evento;
  • Endereço, Cidade e Estado do local do evento;
  • O idioma de origem e o idioma de destino;
  • O número de palestrantes;
  • O número de participantes;
  • O número de intérpretes;
  • Data/hora de início e término do evento.

A ESPANGLISH Traduções realiza a Tradução Consecutiva nos 27 estados do Brasil.

Proporcionamos excelentes intérpretes, soluções tecnológicas e preços bastante competitivos. Confira os nossos serviços, qualidade e excelência em tradução.

As melhores soluções em tradução simultânea, tradução consecutiva a tradução técnica, você encontra aqui!

Orçamento para Tradução simultânea ou Consecutiva em:

  • inglês
  • espanhol
  • francês
  • mandarim
  • sueco
  • japonês
  • italiano
  • alemão
  • árabe
  • turco e mais de 20 idiomas.

Atendemos Curitiba, Joinville, Londrina, São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte e em todo o Brasil.