Quais os idiomas mais fáceis e difíceis para estudar ?

Márcio Francisco explica segundo ele quais são as línguas mais fáceis e as mais difíceis para aprender.

http://www.espanglish.com.br

Espanglish realiza serviços de traduções em vários idiomas: inglês, espanhol, francês, italiano, holandês, alemão, sueco, norueguês, dinamarquês, polonês, russo, húngaro, ucraniano, turco, grego, árabe, hebraico, coreano, japonês, mandarim, etc.

Traduções Técnicas

Traduções Juramentadas

Tradução de Sites

Legendagem

Tradução de Contratos

Tradução Simultânea

Tradução Consecutiva

Tradução de Artigos Científicos

 

 

Comparando Culturas

http://www.espanglish.com.br  (Serviço de Traduções e Cursos de Inglês e Espanhol) apresenta este artigo interessante:

Que viajante nunca se pegou comparando a cultura de dois países distintos? Ou mesmo a cultura de sua terra natal com a do lugar onde se está?
Yang Liu, uma artista chinesa que vive a 14 anos na Alemanha resolveu desenvolver uma série de quadros que tem por objetivo montar uma comparação entre as duas culturas que ela conhece desde pequena.
A esquerda, em azul, a alemã. A direita, em vermelho, a chinesa.
Os quadros não tem o objetivo de dizer que uma cultura é melhor ou pior que a outra, ou que uma é mais evoluída, mas sim mostrar as diferenças entre elas.

Hora do banho

Hora do banho

A infância

A infância

A vida na terceira idade

A vida na terceira idade

Alimentação diária

Alimentação diária

Auto-estima

Auto-estima

Coisas novas.

Coisas novas.

Filas

Filas

Definição de beleza

Definição de beleza

Domingo nas ruas da cidade.

Domingo nas ruas da cidade.

Dor de estômago

Dor de estômago

Enfado-descontentamento

Enfado-descontentamento

Estados de ânimo com respeito ao tempo

Estados de ânimo com respeito ao tempo

Estilos de vida

Estilos de vida

Festas

Festas

O chefe

O chefe

Opiniões

Dizendo a verdade

Percepção de outra cultura.

Percepção de outra cultura

Pontualidade.

Pontualidade.

Rede de amigos.

Rede de contatos.

Resolução de problemas.

Resolução de problemas.

Restaurante.

Restaurante.

Transporte em 1970 e 2007

Transporte em 1970 e 2007

Viajar

Viajar

Fonte: DoobyBrain.com

ili, o tradutor portátil acionado por voz

IliHello, Olá, Hola!

Hoje veremos uma inovação muito interessante. Vem do outro lado do planeta, um aparelho japonês para simplificar a comunicação. Trata-se do Illi, um tradutor Wearable, isto quer dizer, que está dentro da categoria de vestimentas ou acessórios integrados a alguma tipo de tecnologia móvel. Ele permite a tradução simultânea apenas acionando a voz. Ou seja, a gente fala e ele traduz no mesmo instante para o idioma escolhido, não é necessária uma conexão com a internet durante a utilização.

Quando não estiver sendo utilizado, o dispositivo é atualizado em deck que acompanha o Ili.

A previsão é que a primeira versão comercial do aparelho esteja disponível ainda neste ano, com tradução para estes idiomas: mandarim, japonês e inglês. Mas a fabricante, a Logbar, ampliará os idiomas disponíveis meses depois.

Conheça os serviços de Tradução Simultânea que a Espanglish oferece não apenas em Curitiba, onde é a sua sede, mas também nos grandes municípios do Brasil a até em pequenas cidades. Não importa onde seja o seu evento, a Espanglish leva equipamento de interpretação simultânea e os tradutores que farão com que o seu evento seja um sucesso.

Tradução simultânea em Foz de Iguaçu, Joinville, Florianópolis, Londrina, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Maringá, Caxias do Sul, Salvador, Campo Grande e onde a sua empresa precisar.

http://www.espanglish.com.br

(41)3308-9498

Qual a melhor tradução da Bíblia em português ?

biblia2

 Qual é a melhor tradução católica para uso de um cristão que busca a Deus?

Fonte: veritatis.com.br

O mercado editorial brasileiro oferece diversas traduções do Texto Sagrado… algumas boas, outras satisfatórias, outras lamentáveis…

Pois bem. Para o estudo da Bíblia, interessa um texto mais próximo à literalidade dos originais nas línguas hebraica, aramaica e grega, sem se sacrificar, obviamente, o sentido das frases. Por exemplo: é importante saber o nome oficial das moedas e medidas empregadas, conhecer certas expressões idiomáticas típicas (“cingir os rins”, “em verdade em verdade”, “irmãos” etc…) e certos detalhes que ajudam a identificar os exatos contextos e circunstâncias. Logo, o texto resultante fica bem mais árido, mais literal, mais científico…

Para a oração, por outro lado, o texto traduzido pode ser mais livre, mais solto, embora não possa perder sua fidelidade às línguas originais. Assim, não é importante saber se a moeda empregada em certo lugar se chamava “dracma” ou se certa medida era dada em “côvadosbiblia1“; pode-se, inclusive, fazer conversões (ex: de côvados para metros) para tornar o texto mais compreensível ao leitor, ou embelezar estilisticamente o texto com o emprego de palavras sinônimas ou análogas, mantendo-se assim o sentido da ideia do escritor sagrado na língua do leitor moderno. O texto, portanto, soa mais belo ao ouvido, mais próximo à nossa língua e cultura…

Considerando tudo isto, abordemos agora as traduções que melhor atendem essas duas áreas.

Para o estudo bíblico, não obstante o surgimento da chamada “Tradução Ecumênica da Bíblia” (ed. Loyola), fruto dos trabalhos de uma comissão composta por católicos, protestantes e ortodoxos e com ótimas notas de rodapé, a denominada “Bíblia de Jerusalém” (ed. Paulus) continua mantendo, mundialmente, a preferência entre peritos, teólogos e estudantes de Teologia.

No Brasil, encontra-se em nova edição, “revista e ampliada” com informações das mais recentes descobertas bíblicas e arqueológicas. O biblista pe. Nei Brasil salientou, contudo, que é necessário que a editora Paulus proceda a várias correções no texto que traduziu, vez que neste há muitas imprecisões e omissões em relação à obra original em francês. Mas, ainda assim, ele dá preferência à tradução da Bíblia de Jerusalém sobre qualquer outra, como se vê abaixo:

“Antes de tudo, os parabéns sinceros à Paulus pelo serviço inestimável de oferecer ao Brasil o tesouro da Bíblia de Jerusalém (BJ), agora em ‘nova edição, revista e ampliada’ , correspondendo ao original da BJ francesa de 1998. (…) Por outro lado, substancialmente é a mesma BJ, cuja qualidade insubstituível todos reconhecemos e que, mesmo ao lado da TEB, a ‘Tradução Ecumênica da Bíblia’, da Loyola e, agora, ao lado também da ‘Bíblia do Peregrino’, da mesma Paulus, continua a gozar da preferência dos nossos teólogos e estudantes de Teologia. (…) Falando de modo geral, penso que é urgente uma séria revisão do texto publicado.Li com vagar todas as Introduções e ainda, especialmente, o texto dos cinco livros dos quais eu era responsável [pela tradução nas edições de 1981 e 1985]; é impossível confeccionar a lista das correções a ser feitas, tal a quantidade das que pude anotar. (…) Apesar de todas estas observações, no entanto, quero terminar como comecei, expressando meus sinceros parabéns à Paulus pelo serviço inestimável à Igreja do Brasil que é esta nova edição, atualizada, da Bíblia de Jerusalém. Mesmo discordando da afirmação – legítima em marketing! – de que estamos diante de uma nova edição da Bíblia ‘inteiramente nova’, concordo com a frase final da propaganda: ‘Com razão se poderá dizer’ – especialmente após uma boa revisão – ‘que, hoje, esta edição da Bíblia de Jerusalém representa a mais nova e atual leitura do texto da Bíblia no Brasil’ (grifos meus).

Para ler o artigo completo do pe. Nei Brasil, acesse este nosso subsite (PR Online): http://www.veritatis.com.br/pr/2003/pr49138.htm

Agora, para favorecer a oração, creio que existem pelo menos 4 boas opções, nesta exata ordem:

1º) A Vulgata de São Jerônimo traduzida pelo pe. Matos Soares (ed. Paulus). A Vulgata de São Jerônimo, como você deve saber, foi o texto oficial da Igreja latina até o surgimento recente da Neovulgata, ainda não traduzida para o português. Pelo que eu saiba, infelizmente esta tradução encontra-se esgotada na editora e só pode ser encontrada em sebos. As edições anteriores a 1960 possuem excelentes e interessantes notas de rodapé!!! Por isso, vale a pena procurá-la…

2º) A Bíblia do Peregrino (ed. Paulus), cuja tradução não se guia por equivalências literais diretas, mas sim por equivalências dinâmicas proporcionais (que reproduzem o gênio das línguas antigas na língua portuguesa moderna, ampliando a beleza literária). Possui longas notas de rodapé, de cunho pastoral.

3º) A Bíblia Sagrada Vozes (ed. Vozes), possui um texto muito bem cuidado, clássico, e boas notas de rodapé.

4º) Por fim, a Bíblia Sagrada Ave-Maria (ed. Ave-Maria), que você possui e conhece (desta forma, concordo com o seu pároco, que ela não se destina ao estudo, mas discordo dele quando afirma que não favorece a oração).

Para que você possa ter uma idéia melhor de todo o exposto, apresento abaixo uma simples comparação de textos, baseada em Mateus 6,22-23:

Bíblia de Jerusalém (BJ): “A lâmpada do corpo é o olho. Portanto, se o teu olho estiver são, todo o teu corpo ficará iluminado; mas se o teu olho estiver doente, todo o teu corpo ficará escuro. Pois se a luz que há em ti são trevas, quão grandes serão as trevas”

Tradução Ecumênica da Bíblia (TEB): “A lâmpada do corpo é o olho. Se pois o teu olho está são, teu corpo inteiro estará na luz. Mas se o teu olho está doente, teu corpo inteiro estará nas trevas. Se pois a luz que há em ti são trevas, que trevas!”

Bíblia do Peregrino (BP): “O olho fornece luz a todo o corpo: portanto, se teu olhar é generoso, todo o teu corpo será luminoso; porém, se teu olhar é mesquinho, todo teu corpo será tenebroso. E se tua fonte de luz está às escuras, que terrivel escuridão!”

Vulgata de Matos Soares (VMS): “O olho é a lâmpada do corpo. Se o teu olho for são, todo o teu corpo terá luz. Mas, se teu olho for defeituoso, todo o teu corpo estará em trevas. Se pois a luz, que há em ti, é trevas, quão espessas serão as próprias trevas!”

Bíblia Sagrada Vozes (BSV): “O olho é a lâmpada do corpo. Se o olho for são, todo o corpo será luminoso. Mas se o olho estiver doente, todo o corpo estará na escuridão. Pois, se a luz que está em ti for escuridão, como não será a escuridão?”

Bíblia Sagrada Ave-Maria (BAM): “O olho é a luz do corpo. Se teu olho é são, todo o teu corpo será iluminado. Se teu olho estiver em mau estado, todo o teu corpo estará nas trevas. Se a luz que está em ti são trevas, quão espessas deverão ser as trevas!”

Repare como os dois primeiros textos (BJ e TEB) são praticamente idênticos, com uma linguagem mais árida e científica que os outros quatro (VMS, BP, BSV e BAM). Essa é a principal característica das Bíblias de Estudo…

Agora compare atentamente entre si os outros 4 textos: os dois versículos, embora tratem do mesmíssimo assunto, são traduzidos de forma mais livre para acomodá-los à nossa linguagem: a BSV coloca um ponto de interrogação no final do versículo onde todos os outros apontam uma exclamação (embora saibamos que o original grego apresenta um texto corrido sem pontuações); a BP fala de olho “generoso” ou “mesquinho”, em “fonte de luz”…; a VMS fala de olho “defeituoso” enquanto que a BAM fala de olho “em mau estado”. Sem dúvida alguma, as 4 traduções são válidas e não destorcem o original, propiciando, com sua linguagem simples, uma inspiração mais favorável à oração.

Espanglish oferece os seus serviços de tradução em Brasil e em outros países:

-Tradução Técnica

-Tradução Juramentada

-Tradução de Artigos Científicos

-Legendagem

-Tradução Simultânea

-Tradução Consecutiva

-Tradução Sussurrada

-Locação de Equipamento de Tradução Simultânea

http://www.espanglishtraducoes.com.br

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

(41)3308-9498 / 9667-9498

Quais são as línguas mais faladas no mundo?

Um infográfico completo que mostra quais são as línguas mais faladas, dos cerca de 7.102 idiomas conhecidos no mundo hoje

  • Temos 7,2 bilhões de pessoas vivendo no mundo nesse momento. Mais da metade disso, 4,1 bilhões, se comunicam com vinte e três dos mais de sete mil idiomas existentes hoje.
O infográfico abaixo está cheio de estatísticas interessantes sobre as principais línguas faladas hoje. O Chinês lidera de longe a brincadeira, com 1.2 bilhão de pessoas que falam o idioma na China e em outros lugares como Hong Kong, Taiwan e na Malásia. Lembrando que o “chinês” engloba diferentes línguas e dialetos, como o cantonês e o mandarim.

Depois disso, o Espanhol (399 milhões de pessoas) e o Inglês (335 milhões) dominam boa parte do mundo, o primeiro falado em praticamente toda a América Latina (e por 34 milhões de pessoas nos Estados Unidos). Interessante ver que o inglês é a língua mais estudada ainda ao redor do mundo, mas a potência mesmo vem de ser falado nos estados Unidos (são 110 países que falam o inglês, mas 225 dos 335 milhões estão em solo americano).

 O nosso português é falado por 203 milhões de pessoas, basicamente aqui no Brasil. Depois tem Portugal, Moçambique e algumas pessoas na França e na Índia. Também se fala português em Angola, São Tomé e Príncipe, um pouco em Macau, Timor Leste, Guiné-Bissau e Equatorial e por alguns bilíngues em Cabo Verde (a língua falada por lá é o crioulo cabo-verdiano).

A Papua-Nova-Guiné leva a taça de lugar com mais dialetos falados, 839 no total.

Facinho bater um papo por lá.

Obs.: a imagem de capa é do transporte público de Pequim, na China, em 1950.


FONTE: http://www.papodehomem.com.br/quais-sao-as-linguas-mais-faladas-no-mundo/

publicado em 30 de Junho de 2015, 09:00
Espanglish realizada serviços de tradução e interpretação em dezenas de línguas, entre elas inglês, espanhol, francês, italiano, alemão, holandês, húngaro, tcheco, catalão, polonês, russo, sueco, ucraniano, latim, grego, romeno, mandarim, cantonês, japonês, tagalog, coreano, árabe, hebraico e outros.
Realizamos traduções juramentadas, técnicas, tradução de artigos científicos, legendagem de vídeos, tradução simultânea e consecutiva para criar pontes linguísticas que colaboram com o desenvolvimento das empresas e do mundo como um todo.
(41)3308-9498   /  (41)9667-9498
atendimento@espanholinglescuritiba.com.br 

Você sabe quais são os melhores tradutores online?

Fonte: oficinadanet.com.br

“Quando comecei minha carreira de jornalista há uns oito anos, sofria bastante com alguns termos em inglês, posto que, não sabia nada do idioma, meus recursos foram os bons tradutores online. Aos poucos percebi que os tradutores não só me ajudavam fazendo a transliteração do texto, como me ensinavam um pouco do idioma. Porém, só depois de cursar numa escola especializada fui percebendo que paguei muito mico, apresentando textos traduzidos que continham erros escandalosos, isso devido a erros do próprio tradutor online. Embora, tenha aprendido inglês, eu ainda utilizo muito os tradutores online, para realizar pesquisas acadêmicas em artigos de idiomas que ainda não tenho afinidade.

Para que você não tenha que pagar os mesmos micos que eu para descobrir qual o melhor tradutor online, fiz questão de apresentar diversas alternativas, levando em consideração que a maioria das pessoas utilizam o Google Translator. Vale ressaltar que existem os tradutores pagos e os gratuitos, a diferença é que os tradutores pagos possuem suporte de correção, já que todo tradutor online sempre faz a tradução padrão. Aqui pretendo frisar os tradutores gratuitos e que nos ajudam no momento de maior necessidade.

E que tal você aprender inglês de forma que garanta a fluência e não precise mais utilizar tradutores?

O mais utilizado:

Como pude frisar antes, o Google Translator ainda é o mais acessado pelo grande público, mas, não significa que ele tenha os melhores serviços. Haja a vista, que ele não possui alguns recursos importantíssimos encontrados em outros. Podemos tomar como exemplo um texto traduzido do espanhol, geralmente caracteres como o (ñ) aparecerá e não temos esse recurso em nosso teclado, alguns tradutores oferecem essa funcionalidade, evitando assim que você fique perdido diante de caracteres que são impossíveis de se encontrar em seu teclado. No Google Translator ainda é necessário copiar toda uma página e só contabilizar 4 mil caracteres, enquanto outros, oferecem o recurso de copiar o texto total diretamente da pasta e ilimitado o número de caracteres.

Esse recurso citado acima é o chamado SYSTRANet, você faz o upload diretamente do Desktop. Assim, esses detalhes apresentam diferenças do Google Translator para outros tradutores online que disponibilizam do serviço para vários idiomas.

Diversas opções de tradutores:

Entre às várias opções de tradutores destacam-se às que iremos apresentar abaixo:

Babel Fish:
Excelente tradutor que pode traduzir trechos de textos ou páginas inteiras, pertencente ao Yahoo ele está disponível para fixação em outras páginas. Possui boa precisão e galeria com 12 idiomas. Os maiores proprietários de blogs afirmam que ele é excelente pra blogs.

WorldLingo:
Este tradutor destaca-se não só pelo fato de traduzir sites inteiros e pequenos textos, com a mesma qualidade de precisão, como por possibilitar o envio de e-mail´s na língua a que se traduziu. O WorldLingo, traduz nos idiomas, inglês, francês, português, alemão, italiano, japonês e russo.

ForeignWord:
Com este tradutor você pode traduzir fazendo comparações com outros textos e medir a exatidão e precisão de cada texto. Obviamente que ele precisa de uma revisão manual, isso porque é impossível que ele entenda o documento a que se traduz. Pode ser um texto padrão como um documento. O ForeingWord é pouco conhecido e utilizado pela grande maioria da população, todavia, é um excelente tradutor.

PromtTranslator:
Destaca-se por traduzir textos em páginas e inteiras e sem limite de palavras, além de possuir ferramentas que podem realizar a transliteração e exibição de variantes de um texto traduzido. Outro importante fator é a capacidade de correção ortográfica, que oferece precisão e qualidade. É um risco a menos de cometer uma gafe com um texto semi-analfabeto em outro idioma.

Deixei para apresentar por último o Babylon, que oferece uma tradução precisa em mais de 800 idiomas, não possui limitação em relação ao tamanho do texto e ainda pode ser instalado em seu desktop. Apesar do serviço não ser de total qualidade para todas às línguas, o Babylon possui ferramentas que ajudam na correção. Ele é de facílimo manuseio e é um dos mais usados pelos internautas brasileiros. Geralmente utilizo o Babylon para fazer traduções de textos acadêmicos, muitos chegam a 500.000 (quinhetos mil) caracteres. É totalmente ilimitada a quantidade de caracteres no babylon!

Pior indicação:

Um teste realizado por este site a pior tradução fora a do Translation 2 que não consegue identificar muitos dos elementos da página e nem identificar todos os caracteres. No resumo final o texto ficou completamente diferente do original e ainda bastante hilário. Na verdade uma correção equivaleria à confecção de um novo texto.

Conclusão:

Agora que você possui um guia completo dos melhores tradutores online, busque aprimorar nos estudos dos diversos idiomas e não incorrer no mesmo erro que eu há uns oito anos. Busque sempre comparar às traduções e veja se existe alguma que fuja à lógica do que às demais oferecem. Para quem trabalha numa repartição onde a precisão de alguns textos tem que ser exata e não consegue corrigir um texto, em chinês, por exemplo, a dica é encontrar um tradutor pago que ofereça suporte profissional online.

A Espanglish cresce cada dia mais como uma das empresas de tradução no Brasil que abrange os mais diversos serviços: tradução técnica, versões, interpretação simultânea e consecutiva, legendagem de vídeos, tradução de sites. Traduzimos documentos nos mais diversos idiomas: inglês, espanhol, francês, italiano, alemão, polonês, ucraniano, russo, turco, japonês, coreano, mandarim, árabe, hebraico, holandês, tcheco, húngaro e vários outros.

Nossos tradutores são profissionais experientes que contribuirão para o sucesso de sua empresa ou da sua carreira.

Conte conosco!

http://espanglishtraducoes.com.br/conteudos/servicos-de-traducao.html

(41)3308-9498 / 9667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

Hablas Português? Estrangeiros contam como é aprender o idioma

Os estudantes mexicanos Everardo Peraza, Leonardo Farias, Rodrigo Nava, Fernando Ramirez, Gerardo Aldrete e Carlos Santoscoy (da esquerda para a direita) |
Os estudantes mexicanos Everardo Peraza, Leonardo Farias, Rodrigo Nava, Fernando Ramirez, Gerardo Aldrete e Carlos Santoscoy (da esquerda para a direita)
IDIOMA
Hablas Português? Estrangeiros contam como é aprender o idioma
Gringos que moram em Curitiba contam que o portunhol é uma armadilha, que se confundem com o “pois não” e que até comprar pode ser embaraçoso

18/09/2014 08h36 Tatiana Marotta, especial para a Gazeta do Povo
002Comentários (2)
Depoimento: uma francesa aprendendo a falar português
Quando eu cheguei a Curitiba, tinha um nível básico de português. Ao contrário da maioria dos estrangeiros, eu tinha já estudado a língua de maneira aprofundada. Infelizmente, na França, o português não é ensinado em todas as escolas. A gente tem de escolher entre alemão, espanhol e italiano, na maioria das vezes.

Estudei em um desses raros colégios internacionais que existem na França, em Grenoble. Foram quatro anos de estudos intensivos do português como segunda língua, seis horas por semana. Não posso falar que isso me ajudou, porque saí do colégio aos 15 anos e não tinha como praticar mais a língua.

Mas uma língua nunca é totalmente esquecida; fica em uma parte do cérebro, esperando um estimulo para reaparecer. Assim, depois de um mês no Brasil, eu já conseguia entender quase tudo. Eu só tinha dificuldades com a fala, por causa da vergonha que se sentia ao tentar pronunciar corretamente certas palavras, sem conseguir.

O que eu não conseguia entender eram as piadas que fazia o meu professor na UFPR. No inicio, eu não entendia o sentido das palavras. O pessoal da sala ria tanto, e eu também queria participar, dando a risada… Só que não e fácil fingir. No fim, virou um jogo para os outros estudantes olharem para mim a cada piada, para ver se eu tinha entendido, porque eu sempre era a única quieta na sala.

Hoje, o meu principal problema é o sotaque. Ele é ainda mais estranho do que poderia ser porque eu aprendi o português de Portugal. Sobretudo o “o”, que eu pronuncio “u”; e o “s”, que eu nunca sei pronunciar. As pessoas falam muito que o sotaque dá um charme, mas, para mim, é uma desvantagem. Elas não conseguem me entender e acham também que eu não entendo – o que, na maioria das vezes, é falso. Eu penso que, quando as pessoas falam outra língua, sempre parecem muito fofas e simpáticas, além de um pouco tontas.

Agora, que eu sei falar mais fluentemente, eu posso exprimir todos os sentimentos que tenho. E, para mim, essa era a parte mais frustrante do aprendizado da língua: não poder mostrar quem eu era “na vida real”.

Tatiana Marotta, estudante de Jornalismo

Tandem: bicicleta substitui a sala de aula
Você conhece a palavra “tandem”? Nada mais é do que uma bicicleta com dois bancos. O equipamento é uma metáfora interessante para ilustrar um sistema de aprendizagem de língua reconhecido no mundo inteiro e que no Brasil existe apenas em Curitiba, por intermédio do Celin.

Por meio dele, duas pessoas de diferentes nacionalidades ensinam-se mutuamente os idiomas, enquanto pedalam e transitam pela cidade.

Brasileiros também podem participar do projeto, como faz o universitário de 22 anos Kaio Enrik Santos, que estuda Comunicação Social na Uninter. Pelo menos uma vez por semana, ele troca lições idiomáticas com a sul-coreana de 21 anos Keuhee Shim, conhecida como Estela e que está passando o ano de 2014 no Brasil.

Os dois já foram a museus e restaurantes, e fazem intercâmbio cultural em todos os encontros – esse é um dos objetivos do projeto do Celin. “Na escola, a língua e a cultura devem andar juntos, porque não tem como aprender uma sem a outra”, diz a professora Bruna Ruano, uma das criadoras do projeto em Curitiba.

Kaio foi tão seduzido pelo que aprendeu com a Estela que planeja fazer intercâmbio no país asiático e está tentando criar um convenio entre a Uninter e uma instituição de ensino sul-coreana.Entre fevereiro de 2013 é maio deste ano, o programa teve 736 participantes, sendo 391 brasileiros, 43 coreanos e os demais de outras nacionalidades.

Didática varia conforme o objetivo de cada aluno
O sentido de aprender português varia de acordo com a necessidade de cada estudante.

Professora da PUCPR, Grace Thiel comenta que, para estudantes universitários, é preciso se aprofundar na língua e ensinar diferentes gêneros textuais, para que eles possam escrever textos acadêmicos. “Peço para eles fazerem várias apresentações na frente dos outros, para que se acostumem a falar”.

O Centro de Línguas e Interculturalidade (Celin) da UFPR acolhe também turistas e trabalhadores estrangeiros. Tem destaque o programa do governo Português Brasileiro para Imigração Humanitária (PIBH), que recebe 200 refugiados haitianos. Os professores adaptam a metodologia de ensino, pois eles chegam sem falar nada de português. “O objetivo deles é sobreviver, eles precisam conseguir emprego no Brasil. Então, são mais aulas de pratica da língua do que de gramática”, conta a professora de português no Celin Bruna Ruano.

Hablas Português? Estrangeiros contam como é aprender o idioma
As estudantes Rasha Hassan Hussein (Sudão), Dalia ElRashid Yousif (Sudão) e Valentina Facchin (Itália) (da esquerda para a direita)

Aprender a falar português em alguns meses não é tarefa simples para os estrangeiros que moram temporariamente no Brasil. A pronúncia, a gramática, a conjugação e mesma a integração cultural… Tudo isso é uma barreira para que os visitantes voltem para casa fluentes no idioma.

A Gazeta do Povo conversou com estudantes de outros países que estão em Curitiba e conta, nos tópicos abaixo, como eles têm se virado para dominar a nossa língua.

O perigo do “portunhol”

Os latinos conseguem entender e falar português mais rapidamente que os demais, por causa das raízes comuns das palavras. “Às vezes, é só adicionar “o” ou “a” no fim da palavra em francês e já estou falando brasileiro [sic]”, conta Elodie Mervelay, estudante francesa de 24 anos que cursa Administração na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Quem tem mais vantagem são os hispanos, que se beneficiam das grandes similaridades entre o português e o espanhol. “Eu precisei de apenas uma semana para poder dizer que já eu entendia tudo”, relata Andrés Cuartas, colombiano de 27 anos que está à procura de um emprego no Brasil.

Mas a semelhança entre diferentes idiomas também é perigosa. Hispanos precisam tomar cuidado para não acabar falando o “portunhol”, mistura das duas línguas, que pode atrapalhar o processo de conhecimento da língua portuguesa. ”A gente pensa que está entendida e, por isso, acha que não precisa fazer mais esforço”, diz Cuartas.

As línguas que têm outras raízes se afastam do português em relação à fonética e à etimologia das palavras, o que dificulta aprendizado. “Um hispanofalante que nunca estudou português antes de chegar aqui vai entender tudo diretamente. Um coreano, ao contrario, além de ter estudado dois anos de português antes, vai entender apenas 15%”, afirma a professora de português no Celin Bruna Ruano.

Ela acrescenta que, com tempo e dedicação, um estudante asiático pode até superar um hispano no domínio da língua, pois precisará escrever bastante, o que lhe dará mais capacidade para entender o idioma.

Problemas para comprar pão

Outra grande dificuldade para os estrangeiros é pronunciar corretamente os sons do português, com a adequada ênfase nas sílabas tônicas. “Tenho muitas dificuldades com a pronúncia. Há sons em português que não existem na fonética coreana” conta Amanda Cho, coreana de 22 anos que aprende português no Centro de Línguas e Interculturalidade (Celin) da UFPR.

O intercambista mexicano Rodrigo Nava, 20 anos, que estuda arquitetura na PUCPR, diz que tem dificuldades para diferenciar a pronúncia de palavras como maçã e massa, e também avô e avó.

Professora da PUCPR, Grace Thiel explica que o maior obstáculo está na pronúncia de sons nasais, como o das palavras pão e João. Trata-se de uma terminação sonora que só existe em português. “Fui para a padaria e não consegui falar certo a palavra ‘pão’. As pessoas começaram a rir de mim. Então, precisei fazer gestos para ser entendida”, narra Emna Bem Khedher, estudante tunisiana de 23 anos da UFPR.

Outro fonema complicado é o decorrente das palavras começadas com “r”, como rato. Sofrem especialmente com isso alemães, franceses e falantes de língua inglesa. “Quando eu tento falar a palavra ‘rolado’, dá para reconhecer imediatamente meu sotaque germânico”, diz a estudante alemã de 23 anos Adriana Palasescu.

Já para quem fala espanhol, o problema maior está na pronúncia da letra “v”, frequentemente confundida com “b” para ser entendidos.

Em se tratando de língua escrita, a acentuação também é uma barreira. “Na Itália, só há acentos no final das palavras, nunca no meio”, explica Greta Botanelli, estudante de 24 anos, que cursa design na UFPR. A única maneira para superar tais problemas, afirma Grace, é a pratica. Ela diz que não é possível simplesmente erradicar o sotaque, mas diz que, com tempo e treinamento, ele pode ser suavizado. Muitas vezes, isso não ocorre, pois é comum que estudantes estrangeiros fiquem no Brasil por apenas 6 meses, tempo insuficiente para falar mais naturalmente.

Piada sem graça ou sem sentido?

O estrangeiro que se propõe a falar português não enfrenta somente as dificuldades da língua, mas também se depara com um choque cultural.

Os alunos dos cursos de português da PUC e do Celin recebem lições sobre características culturais brasileiras, muitas das quais se refletem na fala. “Temos de ensinar expressões do idioma, como ‘pois não’, que a maioria entende como resposta negativa”, disse Grace.

O humor brasileiro também não é compreendido imediatamente pelos estrangeiros. Grace conta que muitas piadas não arrancam risos dos alunos. “No ano passado, eu fui assistir ao filme ‘Minha mãe é uma peça’ e, sinceramente, não entendi nada. Não porque o meu português não era bom, mas porque não entendia o sentido das piadas”, disse a alemã Adriana. “Mesmo assim, eu ri muito, porque parecia engraçado para os outros”, acrescenta.

Para além dos casos inusitados, as diferenças culturais também podem modificar a dimânica de aprendizado da língua. Bruna conta que alunos da Coreia do Sul não estão acostumados a fazer perguntas no meio da aula. ”Eles esperam o fim para não atrapalhar ninguém” conta.

PUBLICIDADE

Imprimir Comunique erros Envie por email Fale conosco