Nova modalidade de turismo: Foz do Iguaçu vira destino de casamentos

Espanglish Traduções oferece seus serviços de Tradução Juramentada de Boletins Escolares em Foz do Iguaçu nas línguas espanhola, inglesa, francesa, alemã, italiana, russa, holandesa, portuguesa (PT), japonesa, coreana, entre outras.

http://www.espanglish.com.br 

(41)3308-9498 / (41)99667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

Rede hoteleira, variedade de salões de festa, facilidade de reservar igrejas, localização geográfica e a possibilidade de casar diante das Cataratas têm atraído cada vez mais noivos e convidados para a cidade

As Cataratas do Iguaçu já serviram de cenário para muitas ocasiões: novelas, filmes, campanhas publicitárias, visitas de autoridades, de famosos e de anônimos. Recentemente, a maior sequência de quedas d´água do mundo também passou a ilustrar álbuns de casamento. Além da possibilidade de dizer o “sim” diante do cenário que é Patrimônio Natural da Humanidade, muitos casais optam por Foz do Iguaçu pela quantidade de hotéis, de salões de festa, de igrejas e pela diversidade de atrativos turísticos que podem oferecer aos convidados.

A cerimonialista Paula Soba que organiza, pelo menos, 30 casamentos por ano, na cidade, revela: “Mais da metade dos casais que atendo não são daqui. E isso inclui o envolvimento de outras 30 empresas do ramo como bufês, decoradores e fotógrafos”. A notícia de que Foz entrou para o circuito de destinos de casamentos do Brasil será apresentada na Feira Casar tá na Moda – 2018, no estande da empresa Paz Casamentos, criada há 13 anos pela cerimonialista e pelo marido Sérgio Kenji Soba. O evento será na próxima quarta-feira (15), das 10h às 23h, na Quinta das Marias. A entrada é gratuita.

Foz do Iguaçu: Destino de Casamentos

O chamado Destination Wedding já tem certa tradição em países da Europa, como a Itália, onde há, inclusive, formação específica para profissionais que atuam na área. Mas, eleger cidades como cenário de casamentos é algo relativamente novo no Brasil. “O que se percebe é que nos últimos cinco anos essa tendência tem se tornado mais forte em cidades brasileiras,” constata Paula Soba que tem contato frequente com cerimonialistas em outros estados. Foz do Iguaçu passou a integrar o circuito de destinos de casamentos no Brasil junto com cidades como Angra dos Reis/RJ, Fernando de Noronha/PE e Trancoso/BA – até então “queridinhas” dos noivos.

“Em Foz, realizamos casamento nas Cataratas, pela primeira vez, cinco anos atrás e o casal era da Inglaterra,” conta a cerimonialista. Em 2016, quando os brasileiros Murilo Pereira e a (agora) esposa, Erica Valiati decidiram casar de frente para as quedas, o desejo ainda tinha aspecto de peripécia. “Levamos quase um ano em busca de autorizações por se tratar de parque nacional,” contou Murilo. Depois disso, o setor de turismo entendeu o apelo do cenário e facilitou as coisas para os pretendentes. “Atualmente está muito mais fácil realizar este sonho,” atesta Paula Soba que complementa, “mas há muitos outros interesses que atraem casamentos para Foz. Em São Paulo, por exemplo, é preciso reservar igreja com anos de antecedência. Aqui, resolvemos isso em questão de meses”.

Novo nicho de turismo

Ser Destination Wedding é uma possibilidade bastante cobiçada pelo volume de negócios que envolve. A conta é de multiplicação: a estimativa é que noivos e convidados deixem na cidade valor até cinco vezes maior que o gasto com festa e cerimônia. O secretário de turismo de Foz do Iguaçu, Gilmar Piolla considera que esses eventos são um produto diferenciado e de qualidade que o destino oferece. “Movimentam os atrativos turísticos, os meios de hospedagem, a gastronomia, as empresas organizadoras de eventos, enfim, um conjunto de mais de 50 atividades econômicas”, pontuou o secretário.

Localização estratégica

O acesso a Foz do Iguaçu pode ser feito por três aeroportos internacionais, já que a cidade está na fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. Além disso, por estar no interior do estado do Paraná, o município oferece ainda outro benefício: o de ser economicamente mais viável. Um casamento para 200 convidados, com serviço exclusivo, decoração e banda custa, em média, R$ 70 mil reais. Em capitais, esse valor pode chegar ao dobro, segundo comentam os noivos que procuram a Paz Casamentos. Foi o caso da consultora de imagens Sara Regina Külzer e do marido dela, o administrador Fabio Seiki Ishitani, que se casaram em maio, na fronteira.

Ela morava em São Paulo (capital) e ele em Uberlândia/MG, portanto havia uma questão geográfica a ser resolvida: “Nossa escolha foi bastante motivada pela logística,” disse Sara. Além disso, eles tinham convidados espalhados por várias cidades: Curitiba, São Paulo e Uberlândia, além de os familiares residirem no Paraná. “Sempre gostamos muito de viajar pra Foz pela rede hoteleira, pela parte gastronômica na Argentina, pela beleza natural, pelas compras no Paraguai, enfim, pensamos que seria também uma oportunidade de os nossos convidados conhecerem melhor a cidade,” explicou ela. Sara e Fabio não optaram por casar em frente às Cataratas, mas decidiram passar os primeiros dias da lua de mel dentro do Parque Nacional do Iguaçu.

O jornalista Murilo Pereira e a consultora de estilo, Erica Valiati, casal que realizou o sonho de receber a benção diante das quedas dois anos atrás, teve até as alianças abençoadas com água do rio Iguaçu. “Isso não é exclusividade para os iguaçuenses ou para alguém da região. Quem deseja ter um casamento diferente deve buscar isso!”, recomenda Murilo. “A gente revê as fotos e sempre se emociona ao lembrar daquele momento no altar, olhando as quedas atrás da juíza de paz, algo tão espetacular como as Cataratas servindo de pano de fundo para um momento tão especial!”, relembra.

fonte: https://www.radioculturafoz.com.br/2018/08/10/nova-modalidade-de-turismo-foz-do-iguacu-vira-destino-de-casamentos/

Anúncios

Cresce o movimento de turistas norte-americanos em Foz do Iguaçu

Espanglish Traduções oferece os seus serviços de Tradução Juramentada de Balanços Comerciais e Relatórios de Auditoria em Foz do Iguaçu nas línguas inglesa, espanhola, francesa, alemã, italiana, russa, holandesa, portuguesa (PT), japonesa, coreana, entre outras.

http://www.espanglish.com.br 

(41)3308-9498 / (41)99667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

O visto eletrônico impulsionou a visitação de norte-americanos em Foz do Iguaçu. A medida, que entrou em vigor em janeiro, já refletiu em 31,75% no aumento de turistas dos Estados Unidos no Parque Nacional do Iguaçu no primeiro semestre de 2018.

Nos seis primeiros meses do ano passado, 11.961 americanos visitaram o Parque Nacional do Iguaçu (PNI) , onde estão localizadas as Cataratas do Iguaçu. Já de janeiro a junho deste ano, 15.763 estiveram nas Cataratas do Iguaçu, uma das 7 Maravilhas Mundiais da Natureza.

O movimento deste semestre, impulsionado pelo visto, já representa 67,3% do total de visitantes dos Estados Unidos em todo ano passado. Em 2017, 23.432 turistas americanos passaram pelo destino.

“São números expressivos que mostram uma resposta muito positiva ao visto eletrônico por parte do mercado norte-americano. Agora é arregaçar as mangas, firmar boas parcerias com agências de viagens, e investir em campanhas de divulgação e promoção para atrair mais turistas ao Brasil e a Foz do Iguaçu”, afirma o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla.

Os Estados Unidos estão em segundo lugar no ranking de turistas que visitam o Brasil, ficando atrás somente da Argentina. O país mantém a sexta posição no ranking de nacionalidades, de acordo com dados do PNI.

A visita ao Parque Nacional do Iguaçu é considerada tendência mundial para o ano de 2018, conforme relatórios das maiores plataformas de viajantes do mundo na internet, entre elas o TripAdvisor, Expedia e Skyscanner.

Visto Eletrônico

O visto brasileiro pode ser adquirido por alguns turistas estrangeiros de forma eletrônica, o processo dura em média 72 horas, antes levava até seis meses. A medida faz parte do Brasil Turismo, do Ministério do Turismo.

Desde novembro de 2017 cidadãos da Austrália tem acesso ao programa e a partir de janeiro desse ano, Canadá, Estados Unidos e Japão também podem pedir o visto eletrônico.

fonte: https://foz.portaldacidade.com/noticias/turismo/cresce-o-movimento-de-turistas-norte-americanos-em-foz-do-iguacu

Foz do Iguaçu: Marco das Três Fronteiras registra crescimento de 124% em movimento

A região de Foz do Iguaçu mantém seu crescimento de turistas durante 2018, registrando alta na preferência dos viajantes nos primeiros meses do ano. Um de seus atrativos turísticos, o Marco das Três Fronteiras, recebeu 35.220 pessoas em fevereiro, um acréscimo de 124%.

“O turista encontra em Foz do Iguaçu uma diversidade de atrativos, colocando o nosso destino entre os mais procurados por brasileiros e estrangeiros no país. O Marco das Três Fronteiras faz parte do leque de experiências que o visitante tem na cidade. O atrativo vem agradando moradores e viajantes e a prova disso é o recorde de visitantes”, afirmou o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla.

O Parque Nacional do Iguaçu também se manteve em alta, recebendo 151.929 turistas no mês de fevereiro, 12% a mais em comparação com o mesmo período de 2017. Outra atração em crescimento foi o Parque das Aves, destino de 59.953 turistas no mês passado, um aumento de 10%.

A previsão é que de os feriados da Semana Santa atraiam mais turistas para a região, superando os números de 2017. São esperados mais de 27 mil visitantes ao Parque Nacional e 80% de ocupação na área hoteleira.

Fonte: https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/destinos/foz-do-iguacu-marco-das-tres-fronteiras-registra-crescimento-de-124-em-movimento/

Espanglish Traduções oferece os seus serviços de tradução na língua inglesa, espanhola, francesa, alemã, italiana, russa, holandesa, portuguesa (PT), japonesa, coreana, entre outras.

Tradução em Foz do Iguaçu. Tradução Simultânea em Foz do Iguaçu.
Tradução Técnica em Foz do Iguaçu. Legendas de vídeos em Foz do Iguaçu. Tradução Juramentada em Foz do Iguaçu. Tradução Consecutiva em Foz do Iguaçu. Tradução Escrita em Foz do Iguaçu

http://www.espanglish.com.br 

(41)3308-9498 / (41)99667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

Foz do Iguaçu recebe a maior roda-gigante itinerante do Brasil

Moradores e turistas que visitarem o Marco das Três Fronteiras, em Foz do Iguaçu, a partir deste sábado (27) contarão com uma nova atração turística: uma roda-gigante.

  • Foz do Iguaçu e os encantos da Tríplice Fronteira

A atração tem 27 metros de altura e conta com 18 cabines fechadas com capacidade para transportar até 108 pessoas simultaneamente –sendo seis por gôndola. Há cabines especiais para cadeirantes.

Do alto será possível ter uma vista panorâmica da região para contemplar o encontro dos rios Paraná e Iguaçu e do obelisco que marca as fronteiras entre Brasil, Argentina e Paraguai.

O equipamento de fabricação italiana é de última geração. À noite, o colorido das luzes de LED, espalhados por toda a estrutura, faz da roda-gigante um grande espetáculo de cores, brilho e magia.

A roda-gigante conta ainda com um sistema de segurança contra ventos acima de 60 km/h. Caso identifique condições climáticas desfavoráveis, o brinquedo faz um travamento de segurança, baixando lentamente todas as cabines, para que as pessoas possam sair.

Fonte:https://catracalivre.com.br/geral/roteiro/indicacao/foz-do-iguacu-recebe-maior-roda-gigante-itinerante-do-brasil/

Espanglish Traduções oferece os seus serviços de tradução na língua espanhola.

Tradução de espanhol em Foz do Iguaçu. Tradução Simultânea em Foz do Iguaçu.
Tradução Técnica em Foz do Iguaçu. Legendas de vídeos em Foz do Iguaçu. Tradução Juramentada. Tradução Consecutiva em Foz do Iguaçu. Tradução Escrita em Foz do Iguaçu

http://www.espanglish.com.br 

(41)3308-9498 / (41)99667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

Visto eletrônico pode atrair 25% mais japoneses ao Brasil

Já está em vigor o novo processo para o pedido de visto brasileiro pelos japoneses. O visto eletrônico diminui o prazo para a emissão do visto de 40 para três dias. Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), medidas como essa podem atrair até 25% mais turistas das nacionalidades beneficiadas.

De acordo com o Ministério do Turismo (MTur), o número de japoneses visitando o Brasil foi de quase 80 mil no ano passado. Suas viagens injetaram US$ 81,3 milhões na economia brasileira, ainda conforme informações do Ministério. Assim, considerando-se a projeção da OMT, a expectativa é de que a facilitação no método de solicitação e emissão do visto permita a vinda de mais 20 mil turistas do Japão.

O número deve chegar, portanto, aos 100 mil até o fim do ano, o que significaria uma receita de US$ 101,6 milhões. Os japoneses são os segundos a se beneficiar do método facilitado de solicitação e emissão do visto para o Brasil. Desde novembro, os australianos já podem fazer seus pedidos e receber o documento, tudo online, via aplicativo.

Canadá e Estados Unidos também já têm acesso ao novo sistema de vistos eletrônicos. Como informou o Ministério, esses quatro países foram escolhidos “por serem importantes emissores de turistas com alto poder aquisitivo. Apesar de estudar a expansão da medida para outros países, o Ministério do Turismo trabalha atualmente para a divulgar a medida nos quatro países escolhidos inicialmente”. O visto eletrônico só é válido para turismo de lazer ou negócios.

Ainda segundo o MTur, os destinos mais procurados pelos japoneses interessados em fazer negócios foram Rio de Janeiro (41,2%), São Paulo (38,7%) e Campinas (4%). Quem vem do Japão para passear, por sua vez, prefere Foz do Iguaçu (70,5%), Rio de Janeiro (38,6%) e São Paulo (30%).

fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/turismo/visto-eletronico-turistas-japoneses-brasil/

Espanglish Traduções oferece os seus serviços de tradução na língua japonesa.

Tradução técnica em japonês. Intérpretes japoneses nativos. Tradução Juramentada em japonês. Legendas de vídeo e filmes em japonês. 

http://www.espanglish.com.br

(41)3308-9498 / (41)99667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

Qual o nível de inglês que preciso para fazer intercâmbio?

TwitterGoogle+

O intercâmbio é uma excelente oportunidade para vivenciar outra cultura, fazer amigos em diferentes países, conhecer novas regiões e viajar pelo mundo. Um dos maiores atrativos é a possibilidade de aprender uma nova língua. Estudar em outro país é uma maneira divertida e eficiente de aprender um novo idioma.

Uma das línguas mais procuradas pelos intercambistas é o inglês. Entre os destinos mais desejados estão as cidades de Londres, Nova York e Sydney, lugares localizados em diferentes continentes e que apresentam ótima qualidade de vida.

A técnica de inserção, que coloca o estudante para vivenciar a cultura de outro país diariamente, é uma das melhores formas de aprender o idioma. Contudo, muitos estudantes têm dúvida em relação ao nível de inglês necessário para realizar o intercâmbio.

Podemos classificar o conhecimento em outra língua, essencialmente, em quatro níveis: básico, intermediário, avançado e fluente. As escolas de idiomas separam os alunos de acordo com este conhecimento. Dessa forma, todos os estudantes de uma sala de aula apresentam o mesmo nível no idioma e podem avançar juntos. Abaixo, saiba mais sobre essa classificação.

Níveis de inglês

Básico

Alunos no nível básico têm pouco conhecimento na língua. Sabem algumas palavras, mas não têm boa leitura ou escrita.

Intermediário

São estudantes que apresentam um nível regular de escrita e leitura. Também já apresentam um pouco de conversação.

Avançado

Quem apresenta boa leitura e escrita, compreende bem o que ouve e consegue se expressar sem muita dificuldade tem nível avançado.

Fluente

Pessoas fluentes são aquelas que têm completo domínio sobre o idioma. Conseguem escrever, ler e falar espontaneamente sem dificuldade.

Qual o nível ideal de inglês para fazer intercâmbio?

O nível ideal depende do objetivo do intercâmbio. Alguém que pretende viajar para fazer uma especialização no exterior precisa de um bom conhecimento no idioma do país. Já quem viaja com intuito de aprender a língua pode apresentar diferentes níveis de inglês.

Uma pessoa com nível básico vai adquirir toda a base necessária na escola e vai poder aproveitar para praticar o que aprender nas situações cotidianas. Quem tem conhecimento intermediário ou avançado tem a oportunidade de aperfeiçoar a fluência na língua, na escola e na convivência com pessoas nativas do país.

Por isso é importante que, no primeiro dia de aula, cada estudante faça uma prova para avaliar o seu nível de conhecimento na língua. De acordo com o resultado, o aluno é direcionado para a turma mais adequada.

Para garantir o máximo de aprendizado durante o intercâmbio, é extremamente recomendado que o estudante aproveite a oportunidade para conviver e conversar com pessoas que falem fluentemente o idioma. Quanto mais o intercambista falar e praticar, maior será o aprendizado.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  http://blog.descubraomundo.com/intercambio/qual-o-nivel-de-ingles-que-preciso-para-fazer-intercambio/                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       .  Faça um orçamento sem compromisso!

Espanglish oferece aulas particulares de inglês, espanhol e outros idiomas para você!!!!!

(41)3308-9498 / 9667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br        

Falar duas línguas atrasa o Alzheimer!!!

Uma série de estudos vem comprovando que o domínio de mais de um idioma ajuda a combater a doença. O mais recente deles mostra que pessoas bilíngues diagnosticadas com a doença levaram quase cinco anos a mais para sofrer com os sintomas.                                                                                

CB/D.A Press
Aprendizagem de um idioma pode ser mais eficaz que outras estratégias de ‘malhação mental’ (foto: CB/D.A Press)

Aprender um novo idioma abre inúmeras oportunidades: ler livros no original, conhecer outros países com desenvoltura, ganhar pontos no currículo… Mas há um benefício que, talvez, supere todos os outros: ser bilíngue atrasa em mais de quatro anos os sintomas de demências, incluindo o Alzheimer, em pacientes que sofrem desse mal. Pesquisas têm demonstrado o potencial que o aprendizado de uma linguagem traz para a cognição e a memória. A mais recente, realizada na Bélgica, corroborou essa teoria.

Uma equipe de psicólogos e neurologistas da Universidade de Ghent analisou o histórico médico de 134 pessoas diagnosticadas com a doença de Alzheimer, sendo que 65 delas eram bilíngues. Entre as que falavam apenas um idioma, a demência se manifestou, em média, aos 71,5 anos. No segundo grupo, os primeiros sinais do problema surgiram aos 76,1 anos. Essa diferença também apareceu na idade em que os indivíduos receberam o diagnóstico oficial: 72,5 contra 77,3 anos.

“O bilinguismo foi a única variável que demonstrou um efeito no atraso da manifestação dos sintomas. Diferentemente de outros estudos, no nosso, alguns fatores, como estresse associado à profissão e privação de sono, não tiveram peso significativo”, esclarece a psicóloga Evy Woumans, principal autora de um artigo sobre a pesquisa, publicado no jornal Bilingualism: language and cognition. “O que esses novos estudos estão indicando é que falar mais de um idioma atua como elemento de proteção da mente, em termos de declínio da cognição e da memória”, afirma.

Densidade Segundo Andrea Chiang, pesquisador de psicologia da linguagem da Universidade Quest, no Canadá, numerosos estudos descobriram que uma das melhores formas de adiar a deterioração da mente é mantê-la em atividade, seja jogando sudoku, fazendo palavras cruzadas ou lendo livros. Para ele, não há tanta diferença entre se empenhar nessas atividades ou entrar para um curso de idiomas. “O cérebro é um músculo que precisa se exercitar, como qualquer outro. Todas as atividades mentais estimulam o cérebro e constroem uma espécie de reserva cognitiva, mesmo quando o declínio físico já está aí”, afirma ele.

Evy Woumans, no entanto, sustenta que há bons motivos para acreditar que a aprendizagem de um idioma pode ser mais eficaz que outras estratégias de “malhação mental”. “Estudos de imagem já mostraram que quem fala duas línguas apresenta maior densidade de matéria cinzenta e branca no cérebro, comparado a pessoas da mesma idade que só falam o idioma materno. Esses estudos fornecem uma base neural para uma potencial vantagem do bilinguismo na reserva cerebral, à medida que o declínio cognitivo é associado à diminuição da integridade da matéria branca e à redução no volume de massa cinzenta”, afirma. De acordo com ela, uma nova linha de pesquisa, ainda muito recente para produzir resultados certeiros, tem indicado que o aprendizado de uma segunda língua, inclusive, traz um incremento para a plasticidade cerebral, ou seja, a capacidade que o órgão tem de se adaptar e se renovar.

O linguista e professor de literatura inglesa Hans Bak, da Universidade de Nijmegen, na Holanda, publicou há alguns anos um estudo que, assim como o dos colegas belgas, indicou que o bilinguismo retarda os sintomas do Alzheimer. Na pesquisa, ele constatou que tanto essa forma de demência quanto outro tipo de declínio cognitivo podem ser atenuados pelo fato de se falar duas línguas ou mais. “Esse conhecimento de idiomas teve o efeito mais dramático em pessoas diagnosticadas com demência do lobo frontotemporal, que compromete a memória e o comportamento de uma forma progressiva e muito séria”, diz. Saber mais de uma língua atrasou em até seis anos os sinais do problema. “É importante destacar que não é o número de idiomas que conta. Você pode falar quatro ou duas línguas, o efeito é o mesmo”, diz.

ProjeçõesA Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 35,6 milhões de pessoas no mundo sofram de demência, com 7,7 milhões de novos casos anualmente. Como, na Índia, o problema aparentemente será maior, com 10 milhões de pacientes em 2100, segundo projeções, o Departamento Indiano de Ciência e Tecnologia financiou um grande estudo para detectar fatores de proteção da mente. O bilinguismo foi o principal, contou Suvarna Alladi, neurologista do Instituto Nizam de Ciências Médicas em Hyderabad, na Índia.

Por meio da assessoria de imprensa do jornal Neurology, no qual publicou o resultado de uma pesquisa sobre esse tema, a médica relatou que, em seu país, a demência ocupa o posto de um dos mais sérios problemas de saúde pública. “Como muitas pessoas lá podem falar fluentemente dois ou mais idiomas em seu dia a dia, nos traz certo alívio saber que temos esse fator de proteção. Fizemos, então, um estudo para verificar se idiomas com raízes muito distintas da língua materna trazem maior benefício para a mente. Percebemos que, sim, quanto mais distintos esses idiomas, maior o potencial de poupar o cérebro de declínios futuros”, diz.

Para Hans Bak, contudo, esse não é um fator tão relevante. “Já vi alguns pesquisadores argumentarem isso, mas não vejo essa importância toda na questão da distância linguística. Temos de aguardar mais estudos a respeito para chegar a uma conclusão mais contundente”, afirma. O linguista conta que outra curiosidade dos cientistas diz respeito à idade que se começam os estudos. “Há um interesse em saber se as habilidades cognitivas podem ser retidas de forma similares se a pessoa aprende o segundo idioma apenas na segunda metade da vida. Ainda não temos estudos sobre o tópico, mas meu palpite é de que o benefício para a mente é igual, não importa quando se começou a estudar o idioma”, diz.
Nova técnica de detecção
Mudanças nas conexões cerebrais visíveis no exame de ressonância magnética funcional podem representar um biomarcador de imagem da doença de Alzheimer, segundo estudo apresentado na semana passada no encontro anual da Sociedade Radiológica da América do Norte. Embora não exista cura para o problema, acredita-se que tratamentos preventivos podem ser efetivos antes de o paciente ser diagnosticado.

Até agora, os esforços de detecção precoce têm se focado no nível de beta-amiloide circulante no organismo. Essa proteína aparece em quantidades anormais em pessoas com Alzheimer e pode ser encontrada no líquido cefalorraquidiano, substância que circula no cérebro e na medula espinhal. Mas o novo estudo se debruçou sobre a estrutura das conexões de neurônios na massa branca do cérebro.
A equipe de pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, analisou 102 pacientes que participam de um estudo nacional chamado Iniciativa de Neuroimagem da Doença de Alzheimer. Essas pessoas se submeteram ao exame de imagem de difusão, um tipo de ressonância que verifica a integridade da matéria branca do cérebro, ao medir a facilidade de a água se mover pelos sulcos existentes nela. “Sabe-se que a água prefere se mover por regiões bem definidas no cérebro, o que faz desse exame uma ferramenta excedente para avaliar a estrutura da matéria branca”, disse, em um comunicado, Jeffrey W. Prescott, radiologista de Duke.

Os pesquisadores correlacionaram mudanças na estrutura da matéria branca com os resultados obtidos pelo exame do PET scan, técnica que mede a quantidade de placas beta-amiloides no cérebro. Constatou-se que quanto maior o acúmulo da proteína, mais fraca é a conexão estrutural nas cinco áreas pesquisadas. Ou seja, o novo exame mostrou-se eficaz para detectar a presença do Alzheimer. “Tradicionalmente, acredita-se que a doença produza os efeitos cognitivos adversos por danificar a massa cinzenta, onde a maior parte das células nervosas está concentrada”, diz Prescott. “Mas esse estudo sugere que o depósito amiloide na matéria cinzenta está associado a problemas nas conexões que ocorrem na matéria branca, essencial para conduzir mensagens por meio de bilhões de células nervosas”, acrescenta .                                                                                                                      fonnte;http://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2014/12/11/noticias-saude,191031/Espanglish oferece aulas particulares de inglês, espanhol e outros idiomas para você!!!!!

(41)3308-9498 / 9667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br