Porto Alegre é a capital que menos consome jogos eletrônicos e vai a circos; especialistas comentam

Espanglish Traduções oferece os seus serviços de Tradução de Manuais de Reparação em Porto Alegre nas línguas inglesa, espanhola, francesa, alemã, italiana, russa, holandesa, portuguesa (PT), japonesa, coreana, entre outras.

http://www.espanglish.com.br 

(41)3308-9498 / (41)99667-9498

atendimento@espanholinglescuritiba.com.br

 

Embora os porto-alegrenses consumam mais cultura do que a média da população das 12 maiores capitais do Brasil, Porto Alegre fica em último lugar em dois tópicos: consumo de jogos eletrônicos (46%) e ida a circos (15%). As informações foram reveladas pela pesquisa Cultura nas Capitais, produzida pela JLeiva Cultura & Esporte e pelo Datafolha e divulgada nesta terça-feira (23).

O levantamento despertou a curiosidade de especialistas da área ouvidos por GaúchaZH. Pós-doutor em Jogos Eletrônicos e professor da PUCRS, André Fagundes Pase explica que o Rio Grande do Sul é um dos maiores pólos de desenvolvimento de jogos do Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo. Ele cita duas desenvolvedoras porto-alegrenses como exemplo: a Aquiris Game Studio e a Rockhead Games.

— O lançamento mais recente da Aquiris, o Horizon Chase Turbo, está à venda nas prateleiras das lojas físicas. Isso é surpreendente no mercado brasileiro. A maioria dos porto-alegrenses não tem ideia de quanto isso gera de valor à economia, seja um jogo para console, seja um Candy Crush Saga para celular.

A crise econômica enfrentada pelos gaúchos pode ser uma das explicações para o último lugar da Capital no ranking. Como videogames custam caro no Brasil, os porto-alegrenses deixam o gasto com eletrônicos em segundo plano, dando preferência à tradicional TV e a serviços de streaming.

— Jogar ainda custa caro: um videogame custa R$ 1,7 mil e um título recém-lançado custa R$ 260. Jogamos muito, sim, mas ainda somos tradicionalistas na diversão. Ainda é mais barato assistir à televisão e à Netflix.

Pase cita um caso curioso de como os eletrônicos se tornaram importantes símbolos culturais: na Polônia, por exemplo, a série The Witcher, desenvolvida pela produtora CD Projekt Red, se tornou uma febre. O jogo conta a história do bruxo Geralt de Rívia, trazendo consigo diversas referências sobre o folclore polonês em seu universo e seus personagens. O terceiro título da franquia, The Witcher 3: Wild Hunt, vendeu mais de 1,5 milhões de cópias na pré-venda e foi traduzido para 15 idiomas, incluindo o português brasileiro.

Reprodução / Divulgação
Saga conta a história do bruxo Geralt de RíviaReprodução / Divulgação

Já sobre Porto Alegre estar em último lugar na ida a circos, a curadora do Palco Giratório, Jane Schoninger, reflete que os tradicionais circos de lona vem perdendo espaço para circos de grande porte, que usufruem de uma melhor infraestrutura e atuam dentro de ambientes fechados.

 — O circo tradicional não é tão presente quanto antes. O circo itinerante, de lona, fica mais nas periferias, nos extremos norte e sul da cidade. Em Brasília e Fortaleza, que estão em primeiro lugar, a tradição familiar do circo ainda é muito presente. Eles ainda existem, mas com muita dificuldade de se manterem. Já os contemporâneos ficam em lugares fechados, como teatros. Não sei se nossos filhos terão a memória do circo de lona — diz Jane.

fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/porto-alegre/noticia/2018/07/porto-alegre-e-a-capital-que-menos-consome-jogos-eletronicos-e-vai-a-circos-especialistas-comentam-cjk0dckj3011l01p6wpklm4n4.html

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s